quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Minha cunhada a Traiçao sem querer

Meu nome é Ricardo e minha mulher se chama Ana temos os dois 35 anos e temos dois filhos pequenos, a história que venho contar é sobre minha cunhada Carla que tem 37 anos e que é casada com Rubens e tem dois filhos adolescentes.

Minha esposa me encheu a paciencia para irmos viajar com sua irma e sua familias para a praia para uma casa alugada no litoral norte aqui de Sao Paulo, entao fomos passar o feriado prolongado na tal casa alugada, a casa tem 5 quartos dois de frente para a piscina, dois com janelas para os fundos que é um  terreno baldio e um que fica ao lado da sala, quando fomos dividir os quartos ficou tratado que as crianças ficariam nos de frente a piscina e os casais no quarto dos fundos ambos os quartos ficavam na parte superior da casa pois embaixo tinha a sala a cozinha e ao lado um outro quarto que ficou vazio.

Primeiramente quero dizer que eu nunca tive olhos para a minha cunhada nem mesmo na epoca que namorava a Ana, já que Carla já éra casada com Rubens e eles sempre foram muito bacanas comigo, logico que eu olhava para ela mas nunca faltei com respeito e nem ela tambem deu qualquer bandeira para mim, mas um fato aconteceu nessa viajem.

No outro dia chegou mais um casal sem filhos amigos do Rubens e da  Carla e logo se hospedaram no quarto ao lado da sala, lá pelo terceiro dia por causa do congestionamento nos banheiros da casa para tomar banho quando chegava da praiaa agua acabou, perguntamos aos vizinhos se tinha acabado a agua deles mas eles falaram que nao entao os dois Rubens e Mané começaram uma busca para ver como era  o encanamento da agua na casa e foram procurando ate que acharam o vazamento, eu que nao entendo nada disso so fiquei observando e tentando ajudar no que podia(quase nada), foi ai que eles me pediram para ficar atras da casa observando a caixa de agua para ver se ela tava enviando a agua, o Rubens ficava na frente da casa e o Mané, nao  nos viamos entao um gritava ao outro. Eu fiquei pendurado em uma arvore que dava para ouvir a caixa de agua que ficava encima da casa, apoiava um dos pés em uma arvore e fiquei ali esperando eles gritarem.

Foi quando olho para dentro do quarto da minha cunhada e a vejo completamente nua arrumando umas roupas, meus amigos tive a sensaçao de um adolescente ao ver aquela mulher nos seus 38 anos completamente nua na minha frente. Carla é meio gordinha mas principalmente porque sua estrutura é  grande, seus seios sao grandes sua bunda é enorme mas nao tem nada caido nao ainda ali toda queimada com as marquinhas brancas  na pele avermelhada ela tava uma delicia, ela nao me via mas eu pude ficar olhando, entao há vi arrumando as roupas, as vezes se abaixava e eu pudia olhar aquele bundao todo virado para mim ai ela virava para o outro lado e via seus seios e sua bucetinha com os pelinhos bem aparados, ainda pensei "meu cunhado ta comendo muito bem" só porque eu pensei meu cunhado grita para mim para saber se a agua havia saido da caixa, fiquei meio incomodado pois se eu respondesse a Carla me veria entao me virei de costas para ela ja que estavamos distantes uns seis metros mais ou  menos e olhando para a caixa gritei que sim.

Fiquei todo travado esperando a reaçao qualquer coisa eu falaria que nem tinha visto ela ali nem nada, mas a Carla veio ate a janela com um dos braços cobrindo os seios e disse com um sorriso para mim; - Nem tinha te visto ai, eu fingi que estava surpreso e olhei para ela foi quando a vi escondendo os seios com um dos braços e disse que nao havia visto ela e pedi desculpas. Ela entao fala que nao tem problema algum pois eu sou o cunhado dela e nao tem problema, fiquei  meio sem graça e voltei meu olhar para a caixa e gritei ao meu cunhado que ia descer pois ali tava passando agua normalmente e ouço a janela se fechando.


Fiquei angustiado tava doido para ir ate o banheiro e bater uma punheta, e como disse antes nunca tinha olhado para minha cunhada com segundas intençoes mas hoje vi que deveria sim, pois ela é muito gostosa,  mas fiquei receoso em ve-la depois disso.

Já era proximo ao jantar quando ela estava na cozinha arrumando as coisas junto da minha mulher e eu cheguei na cozinha, minha mulher quando me ve ja pede para eu fazer o que ela tava fazendo que ela tinha que ir ver as crianças, entao eu fiquei novamente sozinho com ela, ela estava com uma roupa bem leve que mostrava suas pernas e suas coxas ja que estava um calor infernal e sua blusa folgada deixava os seios bem soltos e dava uma vontade de pega-los, mas me controlei e fiquei arrumando as compras e levando para a dispensa eu nao falava nada, ate que ela quebrou o silencio.

- Voce esta envergonhado? Nao  fica nao voce é meu cunhado, quem deveria estar envergonhada era eu que estou um pouco fora de forma. Soltando um sorrisinho. Como fui pego desprevinido olhei pra ela e falei: - Nao!!!
Ela me perguntou:
- Nao, o que?
Fiquei desconcertado  e falei: - Voce ta bem.
Ela disse: - Bem como? Fiquei meio nervoso nao sabia  explicar e falei:
- Tá bom.
E ela com uma carinha maliciosa continuou:
- O que ta bom?
Eu respondi: - Seu corpo, ta bom. E complementei: - Tá otimo. Ai ela me desmacarou:

-  Entao voce viu mais do que me falou.  Fiquei sem resposta, muito nervoso e timido. Fiquei olhando pra ela sem responder, ai ela me diz: - Hummm isso ta ficando perigoso. Foi quando fui requisitado pelo meu cunhado e pelo Mané e sai em disparada.

A noite transcorreu calma e o novo dia apareceu com um sol bem forte, um calor insuportavel e todos rumamos para a praia, quando deu por volta das 11 horas da manha com aquele calor sufocante as crianças nao queriam sair da agua e as mulheres queriam voltar para a casa para fazerem o almoço, mas resolvemos fazer um novo churrasco, entao o almoço seria feito pelos homens foi quando minha mulher falou para a minha cunhada que seria bom um macarrao para as crianças e minha cunhada se prontificou a faze-lo entao ela retornaria com  agente para casa e fomos.

Chegamos os 4 e nós 3 ja ficamos na churrasqueira e eu ainda vi ela andando pela borda da piscina indo em direçao a casa com aquela saida de praia transparente e seu bikini enfiadinho deixando aquele bundao gostoso pra lá e pra cá. Como nao sou muito bom em fazer churrasco o Rubens e o Mané me pediam para eu ir sempre pegar alguma coisa na cozinha eu sempre ia e pedia para a Carla ela pegava e eu a olhava, sempre me entregava roçando sua mao ou com sorrisinhos de canto de boca e eu aproveita-va para seca-la com os olhos. Foi quando em uma das vezes ela  foi ate a porta da casa e gritou lá para a churrasqueira que ficava na frente da casa depois da piscina e falou para os caras que se eles nao tava precisando de mim ela queria minha ajuda pois ainda tinha que fazer o arroz a salada e a maionese, eles lá de longe acenaram que sim ate com um pouco de deboche ja que nao sei fazer churrasco.

Quando eu olhei para a mesa tanto a salada como a maionese estavam  prontas e o arroz estava no fogo, ai eu me virei para ela a puxei pelo braço, nossos corpos se tocaram e nossos rostos ficaram bem proximos ela entao abaixou o olhar em direçao a minha boca e falou de novo que tava ficando perigoso eu perguntei a ela sobre se ela gostava de perigo, ela sorriu. Nossas bocas ficaram mais proximas e nossas pernas se ajuntaram eu entao botei minha mao por debaixo de sua saida de praia e fui com os meus dedos bem na sua xana por cima do bikini, ela se arrepiou, deu um baixo gemido e eu senti um calor imenso entre suas pernas e ela sussurou: - Ai que gostoso.... - Ai que perigoso.

Foi entao que puxei seu bikininho de lado e toquei minha boca na dela que me respondeu com beijos nos labios e nesse momento com seu bikininho de lado toquei com meus dedos na sua xaninha. A bucetinha dela tava tao quente e tao molhadinha que meus dedos escorreram para dentro sem dificuldades e ja foi penetrando aquele vulcao, ela me beijou e cruzou uma de suas pernas por de tras das minhas me puxando de encontro a ela eu fui abaixando meu beijo por seu pescoço e ela foi se encostando na mesa jogando sua cabeça para tras, agora eu fazia movimentos  de entra e sai com dois dedos  e minha cunhada ia a loucura, foi quando puxei seu bikini na parte de cima para os lados e me saltam dois lindos e enormes seios que eu caio de boca sem pensar, foi quando ouvimos um barulho e nos recompomos em tempo recorde. O Rubens grita da piscina que ele e o Mané iam dar uma chegada no mercado para pegarem um peixe para eles assarem e pediu que a Carla  prepara-se um molho para o peixe. Ela falou que sim e que eles escolhecem bem o peixe, e eles foram.

Eu fiquei esperando encostado na pia foi quando ela se voltou para mim e com uma cara de safada nao esperou nada e se ajoelhou na minha frente, abriu minha bermuda e viu saltar meu pau na sua frente ela entao o pegou com carinho, o estudou um pouco com uma cara feliz e o engoliu me levando as alturas segurava em forma de concha minhas bolas e lambia e chupava meu  pau sem parar. Eu a levantei dei-lhe um beijo molhado em sua boca botei meus dedos de novo em sua bucetinha quente e molhada a coloquei meia que deitada na mesa e comecei a chupa-la. Ela se contorcia tanto e puxava meus cabelos que cheguei a pensar que ela nunca teria sido chupada,  deixava de propossito minha lingua resvalar em seu cuzinho e entao a virei de costas para mim ela se deitou na mesa com aqueles peitos sendo espremidos e me deixou aquela bunda como visao.

Peguei no meu pau e fui encaminhando ele para aquela bunda mas em direçao a sua bucetinha que o aceitou facilmente devido ao tesao e foi entrando, entrando ate que comecei a bombar devagar e depois impondo ritimo, ela se empinou toda e eu bombava gostoso tendo uma visao de sua bunda maravilhosa que me levava a loucura de tesao, meu pau sumia dentro daquela bela mulher, eu segurava em  seus seios, beijava sua nuca a puxava para mim e bombava segurando seu quadril,  foi quando a vi toda retorcida, logo depois soltou um gemido e sua pele ficou toda arrepiada.



Ela entao continuou a receber minhas estocadas mas deixou seu peso cair por cima da mesa, eu entao tirei meu pau e pedi para ela chupar coisa que ela reprimiu com o olhar mas nao perdeu a chance ajoelhou e voltou a chupar meu pau da mesma maneira do começo segurando minha bolas em forma de concha e chupando meu pau por inteiro as vezes como um picolé outras num vai e vem dentro de sua boca ate que nao aguentei e gozei ela fechou a boca e deixou minha porra escorrer pelo seu rosto, ela se assustou com o tanto e ate eu tambem pois acho que nunca gozei tanto entao ela se levantou foi ate seu quarto e voltou para a cozinha me encontrando parado em frente a pia tomando uma cerveja. Nao demorou muito o Rubens e o Mané chegaram e o Rubens ainda comentou com ela olhando para mim: - E ai? Fez a maionese? Eu preferi nao responder.









7 comentários: