TROCA DE CASAIS - VIDEOS






1:07



Cada um pega a mulher do outro - 0:48seg



Seguindo o video acima - 0:49seg


Putaria depois da praia - casal safado - 4:00min


CASAL VAI BRINCA NA CASA DE SWING 0:49 seg


ESPOSA LIBERADA NA CASA DE SWING - FILME GRINGO - 13min


FILME PROFISSIONAL DUAS GATINHASQUE SONHAM COM DUAS SUPER ROLAS 11min.



Casal Gringo que curte swing com outro casal 8:30min



teste 1


Neste o MARIDO NEM QUIS PARTICIPAR PARA FILMAR



DOIS CASAIS GRINGOS BRINCAM NA WEBCAM COM CASAIS BRASILEIROS - VIDEO LONGO 27:02min


VIDEO MUITO BOM... O CARA COMENDO A MINA DELE NA MESMA CAMA QUE O AMIGO COME A SUA 0:35seg


O MELHOR DE TODOS - DUAS ESPOSAS NOVINHAS QUE GOSTAM DE SWING - A MINA TA SENTADA NO PAU DO CARA E AINDA DA UMA BRONCA NO CORNO 2:03min







15 comentários:

  1. continuo curtindo sue blog

    ResponderExcluir
  2. Nossa, to toda molhadinha com esses vídeos. Uma pena que ainda sou virgem, queria tanto experimenta swing. Mas não como minha primeira vez kkk

    ResponderExcluir
  3. Uma esposa inesperiente18 de maio de 2016 23:02

    O meu marido já me perguntou e eu aceitava uma troca de casais. A minha resposta foi um não, mas se tornar a fazer semelhante pergunta, tentarei saber se tem alguma casal previsto para a troca; se é alguém das nossas relações ou se tenciona ir a uma boat swing. Com um casal nosso conhecido seria bastante difícil descontrair-me e, nem sei se conseguia expor a minha intimidade perante eles. No caso de uma boat swing, com um casal desconhecido e se o elemento masculino fosse do meu agrado, não me importava de ter uma tal experiencia, havendo contudo, antes das vias de facto, acordar com o meu marido o que poderia permitir ou não fazer com o parceiro, ou ele comigo.

    ResponderExcluir
  4. Tenho proposto á minha esposa uma experiencia que eu teria muito prazer de compartilhar. Trocar-mos de parceiros na cama, pelo menos durante uma noite, desde que o casal fosse de agrado de ambos, no entanto sempre tem recusado. Ela tem 33 anos, estamos casados á 8, fui o seu único namorado e também o único com quam praticou sexo, gostaria que exprimentasse outra pica a penetra-la, sentir, de preferência, uma coisa mais grossa entrar nela, Creio que ela tem esse desejo, no entanto como é muito púdica tem vergonha de se entregar a outro homem. Eu não me importo, além de ter outra mulher nos meus braços, gostava até de ver a minha esposa gozar com um homem diferente, ouvi-la gemer e com a troca de parceiros nenhum de nós era traído. Não sei se consigo convence-la, mas tenho esperança que tal venha ainda a acontecer.

    ResponderExcluir
  5. Oi eu e minha esposa procuramos casais casados discretos para diversão 35-991650229

    ResponderExcluir
  6. Olá casais sou moreno bonito discreto 38 anos de São Paulo capital gostaria de conhecer um casal de boa aparência decidimos de preferência pra ser amigos fixo tenho dote normal 18cm grosso me liga ou chama no whatsapp (11)952390157 obs somente casais decidimos de boa aparência tudo com descrição e sigilo

    ResponderExcluir
  7. Olá meus amigos, tudo bem
    .
    Sou casado há 26 anos e CORNO também há 21 anos e hoje ajudo a minha esposa com seu amante fixo que frequenta há 6 anos a minha casa e também um casal maravilhoso, onde saímos, jantamos fora, viajamos e transamos sempre que possível, na qual esta amizade já dura há 12 anos
    Minha esposa me faz de mordomo para atender as suas necessidades quando transamos com eles, levando cerveja, vinho, água, petiscos e o que pedirem em geral.
    O amante dela transa e goza dentro da buceta sem camisinha e ela me faz limpar o pau dele e a buceta dela com a boca e língua, enquanto eles namoram e se beijam e nem se importam com a minha presença, ou seja, me ignoram por completo.
    Eu já até dei banho no amante para que ele pudesse transar limpo e cheiroso com a minha esposa, inclusive lavando muito bem o seu pau.
    Saliento que este amante de 6 anos de convivência, também é muito bem casado, a esposa dele frequenta a minha casa, sabe das nossas transas, mas não curte esta modalidade, inclusive já assistiu algumas transas nossas, mas não quis participar, mas é bem liberal e tem uma cabeça muito aberta.
    Com o casal, sou bem mais liberal, inclusive com o marido, pois transo com ele literalmente, ou seja, como a bundinha dele e dou bem gostoso, nos beijamos muito, bebemos porra um do outro, sem tabus e sem preconceitos e na frente das nossas esposas.
    Fazemos tudo e de tudo entre quatro paredes com este casal, inclusive dupla penetrações nas nossas esposas.
    Minha esposa por sua vez, se delicia muito com este casal, beijando, chupando e transando também muito gostoso, no qual já viajou sem a minha presença para outro Estado com este casal e já dormiu na casa deles algumas vezes sem que eu estivesse junto, pois estava em viagem a trabalho.
    Confesso que fazer a minha esposa de puta, partiu de uma conversa que EU tive com ela, pois chegamos até mesmo a ficar estremecidos com esta conversa por algum tempo, mas aos poucos fui convencendo e mostrando que nada mudaria o nosso amor, muito pelo contrário, só aumentou.
    A primeira transa com outro homem demorou muito para acontecer e foi numa Cidade vizinha com uma pessoa que encontramos na internet, e que foi muito bom, pois ela chupou, beijou e transou muito com ele, inclusive me humilhando enquanto transava com o amante, me chamando de corno, pau pequeno, frouxo, entre outros, depois houveram muitos outros homens, bem como com muitas mulheres e casais também.
    Hoje nos amamos muito e estamos juntos em todos os momentos, exceto com este casal que tem esta liberdade de transar com a minha esposa sem a minha presença, mas confesso que também transamos com a esposa dele sem que ele esteja presente, e eu transo com ele sozinho, sem a presença das nossas esposas e nossas esposas transam entre elas sem a nossa presença............é muito gostoso esta liberdade que adquirimos com este casal de 12 anos de amizade.
    Adoramos esta cumplicidade.

    Abraços
    Corno Marcos ( marcos_sp@yahoo.com.br )

    ResponderExcluir
  8. O relacionamento sexual com a minha esposa estava a arrefecer casa vez mais e ela continuava a afirmar que tinha vergonha de uma troca de parceiros. "Embora o desejasse, a vergonha sobrepunha-se ao desejo". Procurei portanto um estratagema que deu resultado. Tenho um amigo na empresa onde trabalho com qual trocamos confidencias e ele me confessou já que tinha trocado de parceiros com a esposa, que havia sido maravilhoso para ambos e gostaria de o repetir connosco. É um casal mulato de 32 anos de nome Walter e Ilda. Começamos conviver com as respetivas esposas e um dia disse-lhe para irem a nossa casa no fim de semana e levassem uma garrafa de vinho do Porto. Assim sucedeu e, nessa tarde sugeri um jogo e cartas em que os parceiros que perdessem um jogo ofereciam uma rodada de vinho. Ora perdiam uns ora outros e passado algum tempo ambas as garrafas estavam vazias e todos nós bem bebidos. Então agora a que jogamos? Sugeri dar cartas individualmente e quem recebesse e carda de menor valor despia uma peça de roupa. A minha esposa disse logo! Eu não alinho nisso. Então a Ilda não se importa e tu ficas de fora? Contrariada mas aceitou. A pouco e pouco as peças de roupa desapareciam dos nossos corpos e em dado momento foi a Ilda, apenas só de cuequinhas, a receber a menor carta. Então e agora? A minha esposa ficou calada, mas eu e o Walter exclamamos! Tira, tira. E tirou mesmo, ficando nua e sentou-se ao colo do marido que estava também apenas com cuecas. Seguidamente fui eu a ficar também nu. Depois foi a minha esposa, a quem restavam só as cuequinhas. Aí ela começo a tremer e foi necessário eu puxa-la para o meu colo e despir-lhe aquela minúscula peça de roupa. Entretanto o Walter despiu também o que lhe restava e com Ilda no colo beijavam-se e acariciavam-se. Eu procedia de igual modo com a minha esposa, Quando a Ilda exclamou! Trocamos de parceiros e chegou-se a mim. A minha esposa olhou para o Walter e seguidamente para mim balbuciando! Eu não vou aguentar aquilo. Referia-se ao caralho do Walter que mais parecia uma jiboia preta. Ao menos podes tentar, se não aguentares desistes, disse-lhe eu sorrindo. Voltou a olhar-me e disse! Mas aqui não. Fomos então para o quarto, deitamo-las na cama e só ali trocamos de parceiras. Vi que o Walter beijava e lambia todo o corpo da minha esposa, mas quando chegou ao baixo ventre ela uniu as parnas, só as abrindo aos poucos depois dele meter a mão entre elas dedilhar-lhe o clitóris. Comecei a ouvir os seus gemidos de prazer, que aumentaram quando sentiu a lingua na cona. O prazer ultrapassava a vergonha, pois agarrou no pau do Walter com ambas as mão e meteu na boca. Ele posicionou-se sobre ela iniciando um 69. Os seus gemidos eram intensos, Passaram vários minutos eu gozando e, dando prazer a Ilda, quando ouvi a minha esposa dizer: mete já que eu vou aguentar. Lá estava o Walter no meio das pernas dela pronto a meter. Creio que meteu tudo e ela aguentou mesmo. Apenas deu um ai, começando logo a manear as ancas e com ambas as mãos nas nádegas dele puxava-o para si, não sei para entrar mais ou se para ele não tirar. Notei ainda que passaram para posição 4 e aí é que a minha esposa deu um grito após a primeira estucada do Walter. Foi uma tarde de sexo maravilhoso. Não sei como ela aguentava tantas posições. Não parecia a minha esposa tão pudica até aquele dia.

    ResponderExcluir
  9. Esposa do bom marido30 de abril de 2018 20:12

    Uma vez que o meu marido comentou a nossa aventura sexual com o casal Walter, também eu irei comentar quanto gozei e "SOFRI EM SILENCIO", naquela memorável noite de sexo.
    Quando o meu marido me deitou na cama e se retirou, dando lugar ao Walter, não estava o suficiente excitada para me entregar sem reservas a outro homem. Só pensava: é realmente verdade que outro homem me vai fuder? Estes pensamentos excitavam-me, mas não o suficiente para ficar desinibida e, quando o Walter procurou os meus lábios neguei-lhe o beijo na boca, ele procurou os meus seios os que beijou, lambeu, sugando os mamilos, continuando por todo o meu corpo até ao baixo ventre, dedicando-se mais no umbigo. Apesar de mais excitada, por instinto uni as pernas, só as abrindo aos poucos, quando o walter meteu as mãos entre elas, massajando o clitóris. Fiquei assim mais excitada, abrindo-as totalmente, De imediato ele baixou a cabeça e passei a sentir, além da massagem ao clitóris a sua língua na cona, entrando nela, murmurando! Tão apertadinha, parece virgem, coisa linda e saborosa. A minha excitação estava a chegar ao rubro de forma que ao ver o seu penis próximo do rosto não resisti e pela primeira vez peguei nele. Era tão lindo, negro, com veias salientes, com uma grossura descumunal, a cabeça ligeiramente mais delgada que o corpo, puxei o Walter para cima de mim, ficando num autentico 69, e tentei meter aquela beleza na boca, estava difícil, a custo consegui. Atingiu-me a garganta, com as mãos controlei a entrada, era delicioso chupar aquele rolo de carne rija, com o prazer que o Walter me proporcionava no meio das pernas senti estar próximo um orgasmo, aumentei o ritmo o das chupadas e foi quando o meu orgasmo estava no pico, que o danado do Walter, sem me prevenir, gozou ma minha boca, eram golfada de esperma na minha garganta, vi-me obrigada a engolir tudo e não estou arrependida. Ficamos imóveis, eu prostrada pelo orgasmo e ele talvez pelo mesmo motivo. Após alguns momentos tirei aquilo da boca, mas continuava rijo, limpei-o com os lábios, continuava duro e eu apesar do orgasmo mantinha-me excitadíssima. Estava ansiosa para ver se aguentava na cona a tora que havia retirado da boca. Estava tão desesperada que disse para o Walter. Fode-me já! Ele apenas mudou de posição e eu abri mais as pernas entre quais o Walter se colocou, com o seu descumunal caralho apontado á minha coninha e, não sei se para me excitar mais, pincelava continuadamente com a cabeça os lábios vaginais. Não aguentava mais e pedi-lhe! Mete já, rasga-me toda, quero sentir-te dentro de mim. Foi quando meteu a cabeça, Também era muito grossa e doeu, pronunciei um ai e serrei os dentes, pois se a cabeça havia doido, o corpo era mais grosso. Aquilo foi entrando lentamente, raspando em tudo e alargando á sua medida, doía mesmo, parecia estar perdendo novamente a virgindade, mas aguentei firme. Quando o senti bater no fundo respirei fundo, julguei que tinha entrado fudo, mas ao meter uma das mãos entre os nossos corpos, apalpei, notando que faltava entrar uma mão travessa. Se já estava no fundo onde iria alojar-se o resto? O Walter estava deitado sobre mim, tendo iniciado um tira mete. Não doía, apenas sentia ardor, que era atenuado com o prazer provocado pelo roçar permanente do rolo de carne no clitóris. Deve ter entrado o que restava pois sentia já as bolas no cuzinho. Quando puxava parecia vir tudo atras, para depois bater no fundo, não sei onde, mas causava uma dor gostosa. Aos poucos comecei a ter prazer o que aumentava a cada estucada. Com o Walter em cima de mim e o seu resto junto ao meu, fui eu, desta vez a procurar a sua boca com a minha para o beijo que lhe havia negado. Mas que beijo, a sua enrolada na minha, era uma troca mutua e saliva. Ele intensificou as estucadas e senti então junto com mais um orgasmo a minha intimidade inundada por golfadas de quetinha langonha, pois havia combinado entre os 2 casais não usar preservativos, para que fosse sentida carne com carne. ( NÃO SENDO POSSIVEL TERMINAR HOJE O MEU COMETÁRIO, ESPERO FAZE-LO AMANHÃ)

    ResponderExcluir
  10. A esposa do bom marido1 de maio de 2018 16:50

    (CONTINUAÇÃO)--IREI HOJE TERMINAR O COMENTÁRIO SOBRE O PRAZER QUE OBTIVE COM A TROCA DE PARCEIROS.
    Com o Walter sobre o meu corpo ele abraçava-me e beijava-me, enquanto eu continuava a sentir o seu pau pulsar dentro de mim. Perguntou-me se tinha sido bom. Respondi-lhe que sim, tinha-me dado imenso prazer, mas eu não queria apenas sentir o pau seu entrar no meu corpo, desejava uma posição em que fosse possível ver a sua tora ir entrando na cona, mas só após recuperarmos um pouco. Na verdade ambos tínhamos essa necessidade além de eu estar bastante dorida. Quando retirou aquilo de mim o pau continuava rijo e da cona saiu enorme quantidade de esperma com laivos de sangue. Olhei para o meio das minhas pernas! Os grandes lábio apresentavam-se vermelhos e inchados, o que não era de admirar, com aquela tora a esfregar-se neles. Limpei apenas o que escorria para fora, deixando o que estava no interior para posteriormente a tora deslizar melhor. Já recuperados, foi ele que me colocou de costas na beira da cama, para eu ver o seu falo entrar na cona. Era a melhor posição. Pediu-me para elevar as pernas e abri-las quanto possível, tal como uma galinha assada. Assim procedi! Não sei o que se passava comigo, dispunha-me tudo quanto me pedia. Aquele homem levava-me á loucura. (Só não pediu para dar o cuzinho, pois creio que também tinha dado) Na posição eu que eu estava, com a cona totalmente exposta, colocou-se com os pés chão entre as minhas pernas e lá estava novamente a tora apontada á coninha, desta vez comigo a observar. Com as mãos afastei os grandes lábios e vi a cabeça entrar. Mete devagar, disse, para eu ver o entrar todo! Era excitante sentir e observar como aquilo entrava lentamente, os grande lábios esticados ao máximo e a parte superior do caralho roçando sempre no clitóris provocavam-me ondas de prazer e orgasmos continuados, ele metia e depois tirava quase tudo para estucar com força. Talvez por a cona estar muito molhadinha deslisava sem doer, apenas sentia ardor: só quando a cabeça batia em algo no fundo causava dor, mas uma dor tão gostosa que eu gemia de prazer. Nesta posição era como sentia mais prazer, contudo em dado momento o Walter disse-me! Vamos fazer de quatro? Eu estava disposta a tudo. Levantei-me, apoiei os braços na cama e ofereci mais uma vez a cona para ele meter. Desta vez foi muito violento, meteu repentinamente e estucou com tanta força que dei um grito de dor! Nunca o tinha sentido tão fundo, e muito menos com o meu marido, mas depois com o vai vem era tão gostoso que não me importava continuar, mas em dado momento as estucadas começara a ser mais rápidas, meteu fundo e lá senti novamente uma inundação de esperma quentinha, o que me provocou mais um intenso e maravilhoso orgasmo. Limpei-me novamente do que escorria e notando que ele estava algo cansado e aquilo continuava rijo sugerir-lhe: deixas eu cavalgar-te? Ele concordou. deitou-se de costas na cama e fui para cima dele. Assim podia eu controlar! Era uma posição gostava de fazer com o meu marido, pois também o clitóris roçava continuadamente no pau, excepto quando eu elevava o corpo para de seguida desce-lo a fim de o sentir novamente entrar. Depois desta, outras posições se seguiram, até mesmo sem o tirar de dentro, mas que não irei descrever embora tivesse gozado em todas elas. Pouca atenção dei ao que o meu marido fazia com Ilda, concentrava-me apenas no meu prazer. Imaginei ainda que teria ciúmes de ver o com outra mulher, mas tal não aconteceu. Segundo o meu marido me disse o mesmo aconteceu com ele. O nosso relacionamento em nada ficou afetado e em relação ao sexo conjugal apenas o meu marido diz que estou mais larguinha. (Evidentemente que devo estar, pois aquela grossa estaca abriu o caminho para a sua medida). O meu marido e a Ilda devem ter gozado´também bastante, pois ela me disse que quer repetir. Eu não me importo, mas se tal vier a concretizar-se o meu marido irá juntar-se ao Walter, quero ver como será ter 2 homens a dar-me prazer, não colocando de parte até a DP que nunca fiz. Será que assim irei dar o cuzinho ao Walter?

    ResponderExcluir