quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

A minha amiga Bela






Conheci a Bela pelo msn e logo ficamos super amigos e confidentes, ela é uma pessoa maravilhosa e especialmente linda, seus olhos claros trazem consigo um olhar sexy e poderoso, daqueles que te hiponotizam. Seus cabelos, seu rosto, seu corpo tudo em perfeita harmonia, mas como disse sempre fomos amigos e assim continuamos até que um certo dia ela me convidou para um almoço em sua casa e eu nao tive como recusar. Marcamos para ao meio dia e eu cheguei pontualmente, acho que ela esperava que eu me atrasasse um pouco e quando o porteiro a chamou ela estava de saida do banho mas mesmo assim pediu para eu subir.

Quando cheguei no seu andar a sua porta tava entre aberta, entao eu preferi nao tocar a campanhia e bate na porta, foi quando ouço ela pedindo para eu entrar que ela estava ja saindo. Entrei em seu apartamento e me acomodei na sala e fiquei ali com a garrafa de vinho que eu tinha levado aguardando por ela, foi quando ela surgiu no corredor com um sorriso lindo e com os cabelos molhados e um vestido com alças bem solto me pedindo desculpas pois nao esperava que eu chegasse na hora, eu me apressei em lhe pedir desculpas e ela falou que nada, tudo bem é ate melhor ja que passaremos mais tempo juntos. Ela entao veio me deu um abraço de boas vindas e pude sentir seu cheiro de saida de banho, uma delicia. Entao eu lhe entreguei o vinho e ela me avisou que nao podia beber mas que ela pegaria a taça para eu beber coisa que neguei na hora, pois eu havia trazido para nós bebermos mas nesse caso eu tambem nao iria beber e ela entao me ofereceu um suco e me avisou que o almoço estaria pronto em breve e eu me convidei a ajuda-la. Entao fomos para a cozinha e riamos muito sobre o que falavamos e começamos a arrumar a mesa e em uma daquelas indas e vindas, tipo: pegar o azeite, os pratos, os talheres, nos esbarravamos ate que uma hora ficamos frente a frente e perdemos as palavras, nos olhamos fixamente e sem palavras nos beijamos.

Sinceramente eu nao esperava mas quando nossas bocas se tocaram e nossos corpos colaram, algo instantaneo aconteceu de ambas as partes um abraço quente e um beijo intenso e molhado nós demos. Eu me encostei na parede e a trouxe para junto de mim sem tirar meus labios dos seus, uma onda de tesao nos invadiu e nao sei como conseguimos nos desatar, ela passou a mao pelos cabelos e retornou ate a geladeira para pegar algo como se nao tivesse acontecido nada, eu fiquei ali parado meio atordoado pelo beijo e quando voltei a mim, percebi que ela estava evitando me olhar mas eu nao estava mais resistindo fui ate ela, segurei em seu braço e sem falar nada a beijei novamente, foi quando Bela se encostou na geladeira como que se entregando e eu nao me contive e talvez pelo tesao a abracei com mais intensidade e mais pegada. Nao acreditei como uma deusa como aquela estava envolvida nos meus braços, seu cabelo molhado me excitava mais, sua lingua macia... Senti que ela tambem me abraçou mais forte, desci meus labios sobre seu pescoço e senti ela me abraçar mais forte e jogar sua cabeça levemente para tras, foi quando com os dedos bate na alça direita do vestido e a alça escorreu pelo seu braço entao desci um pouco mais e com minha boca procurei seu seio que logo que apareceu eu o beijei lentamente soltando suspiros de Bela, subi novamente para beija-la o pescoço e dei um beijo em sua tatuagem atras da orelha. Ela se estremeceu toda e se soltou um pouco, arrumou o vestido se encostou na bancada da cozinha olhou pra mim e falou ofegante:

- Se continuarmos assim agente nao vai almoçar.

Eu a avisei que minha fome tinha passado e fui ao seu encontro para beija-la de novo foi quando ela se entregou cruzou seus braços sobre meu pescoço e mais um daqueles beijos foi quando ela no meio do beijo me pediu para irmos para o quarto dela, sem nos desgrudarmos chegamos ao seu quarto. Havia um espelho grande do lado direito colado na parede e sua cama de casal, como continuavamos colados eu fui tirando meus sapatos nos encostamos no seu espelho ela de costas para ele e eu a beijando, novamente toquei so que agora nas duas alças do vestido e o vestido escorregou pelo seu corpo, ela me abraçava forte e eu ajudei o vestido a passar pelo seu quadril ate ele cair por inteiro deixando ela so de calcinha, ela entao tirou minha camisa nos abraçamos e caimos na cama, ela por baixo e eu por cima. Entao começo novamente a beijar e chupar seus seios calmamente, sentindo cada milimitro daqueles seios lindo de Bela. Fui descendo por sua barriga ate chegar na sua calcinha, que eu nao tiro mas começo a passar minha lingua por cima da sua bucetinha, ate que tiro a calcinha de lado e começo a chupa-la lentamente, depois um pouco mais forte ate que chego no seu buraquinho. Entao tiro sua calcinha e começo a chupa-la com voracidade e de vez enquando meu dedo a penetra enquanto a chupo, minhas maos aperta suavemente seus seios e eu ouvia seus gemidos e murmurios, nem sei quanto tempo fico ali pois eu estava adorando e percebi que ela estava gostando demais. Acho que quando ela nao aguentou mais, ela se sentou na cama eu fiquei em pé na sua frente ela me puxou pra perto e começou a abrir os botoes da minha calça, quando ela abriu todos ela abaixou minha cueca, tirou meu pau que estava durissimo pra fora e com aquela boca linda começou a me chupar. O modo dela chupar é completamente diferente com calma, com paixao e desejo, mas depois impos ritmo e eu tive de me controlar para nao acabar a brincadeira ali. Entao a deitei na cama dei um beijo na sua tatuagem que ela tem ao lado da virilha, dei mais uma chupadinha naquela bucetinha linda e coloquei meu pau na portinha dela, a olhei nos olhos e comecei a penetra-la levemente e começamos num vai e vem lento e prazeroso que logo se tornou algo rapido e intenso, nosso suores se misturavam e nos olhavamos com desejo, ela abriu mais as pernas e pude penetra-la pra valer na posiçao papai e mamae.


Foi quando eu pedi para ela vir por cima de mim, entao ela me deitou me olhou nos olhos e foi se encaixando, logo ela virou a cabeça e respirou fundo quando entrou tudo, ai ela começou a cavalgar lentamente, parecia ate que dançava ate que ela me olhou e começou uma cavalgada mais intensa e com força. Eu tava adorando, uma mulher linda como a Bela com aquele corpo escultural cavalgando e me beijando e cavalgando de novo. Depois de algum tempo sem nos descolarmos ficamos de pé e eu a joguei contra o espelho e fiquei por de tras dela, ela empinou seu bumbum lindo e eu comecei a penetra-la olhando seu corpo nu encostado no espelho, ela colocava sua lingua pra fora pra tentar me beijar e isso me dava um tesao enorme, eu beijava sua nuca e depois procurava sua lingua e nao parava de bombar naquela bundinha linda, segurava seus seios ate que a coloco de 4 no canto da cama e fico em pé e começo a come-la ali de 4, enquanto eu bombava mais forte nela eu com meus dedos alisava seu clitoris e sinto que ela nao consegue resistir e começa a gozar, entao tiro meu pau dela e começo a gozar esparramando tudo por sua bundinha. Caimos extasiados na cama, nao demorou muito e estavamos de novo fazendo tudo de novo. Depois da segunda tomamos banho e no banho mais uma vez so que dessa vez eu gozei enquanto ela me chupava. Hoje continuamos amigos mas amigos diferentes, amigos que sentem um tesao descomunal pelo outro.

terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Escritas da Alma


Qual o sonho de sexo mais louco que você ja teve?




Foi com essa pergunta que ela (Silvia [nome fictício], olhos verdes, linda, 25 anos) me instigou a falar sobre minha fantasia... Era de manhã, e ela havia dormido em minha casa. Eu (André [nome fictício também], 29 anos) já guardava a algum tempo, mas a oportunidade de falar a ela sobre a fantasia de vê-la comigo e com outro, nunca havia acontecido. Resolví contar, aumentando em alguns detalhes, um sonho real que eu tinha tido.

    - Sonhei que você fazia amor comigo e com outra pessoa...
    - Outra pessoa? - Homem ou mulher(perguntou com um jeito de dengosa)
    - Outro cara, eu respondí. -E como acontecia? Ela perguntou.  Eu já estava me tremendo um pouco, pois falar de uma fantasia assim mexe um pouco com o nosso sitema nervoso.
    - Você chupava um enquanto outro te comia por trás. -Quem ficava atrás? ela perguntou: -O cara!     
    - Hummmm! Ela falou enquanto, só de calcinha, esfregava a bocetinha em minha coxa. Como estavamos falando de fantasias, acho que ela não achou que eu estava realmente pensando em algo real.
    - Tinha coragem? ou só vontade? ela perguntou. Nesse momento, mais tenso ainda, pensei, era melhor ir com tudo na história: -Tinha não, tenho. Estou te convidando. Você topa?

     Acho que ela não acreditou muito no que falei. Na hora, ela falou, sorrindo, que achava que eu estava doido, mas, no fundo, sabia que eu tinha falado sério. Ficamos por ali, embora eu notasse que ela tinha ficado meio estranha comigo. De noite eu perguntei o que havia, e ela falou que tinha ficado meio impressionada com o meu convite, que tinha ficado tensa, e que achava que nunca toparia nada desse tipo... No entanto, a partir desse dia, começei a entrar no mirc, com um nick que chamava a atenção, pois tinha o nome "casal" nele. Depois de conversas com várias pessoas, algumas sem graça mesmo, uma delas se destacou. Thiago (fictício, claro), depois de conversar comigo, e de eu ter falado de minhas fantasias, de minhas conversas com Silvia, mandou algumas fotos sua... Sem o rosto, mas mostrava seu pau... Achei interessante, sabia que ela acharia também. Ele tinha uns 26 anos, magro mas malhado, da minha altura. Mostrei algumas fotos dela, sem roupa, e outra nossa vestidos, mas mostrando o rosto. Ele então criou coragem e mandou umas de rosto também. Em outro dia, falei com ela da conversa, mostrei as fotos e ela resolveu dormir em minha casa para conversar com ele no mirc. Foi uma conversa bem picante, onde ela perguntava se ele gostaria que ela estivesse raspadinha (tenho essa conversa gravada até hoje). Ele disse que adoraria. Então ela falou que um dia o encontraria assim! Depois de alguns contatos (estou abreviando a história, pois certamente nunca teríamos coragem de nos relacionar com alguem logo de primeira), ela falou que iria ligar pra ele na outra semana. Na segunda-feira ela me fala que tinha ligado pra ele... Realmente, eu nunca acreditei que ela realmente iria ligar, mas eu tinha achado muito bom a iniciativa dela. Incentivei ela marcar algo real. Garantí que se ela não quisesse nada, não iriamos em frente, e que ela poderia desistir a qualquer momento. Marcamos para a quita-feira, a noite, na beira-mar, aqui em Fortaleza. Falei com ele antes, descrevendo o carro em que estaríamos, e ele falou com que roupa iria. falei também pra ele que era apenas para nos conhecermos, que não iria rolar nada naquele dia. Combinei com Silvia que, caso ela não tivesse coragem ou não quisesse, ela daria um beliscão de leve na minha mão, e se topasse, alisaria minha mão com o dedo. Quando nos encontramos, pedi pra ele entrar no carro, e andei anguns metros, estacionando logo em frente, pois achei que dentro do carro era um local discreto e seguro para conversarmos. Conversamos umas bobagens no inicio, depois passamos a conversar sobre essa fantasia. A conversa ficou mais descontraída, falamos sobre gostos, ele falou que nunca teria coragem com uma namorada dele, mas que não me julgava. Falei que era apenas uma fantasia, que minha preocupação não era de julga-la, mas tinha coragem de vivê-la. Nesse momento eu pego na mão de Silvia, para nos comunicarmos, como tinhamos combinado. Ela não faz nada... entendí então que eu tinha que tomar a iniciativa... -Então vou fazer o seguinte - falei - Topa ir conosco agora pra um motel? perguntei ao Thiago. Silvia na hora tomou um susto, e falou que não tinha decidido nada ainda. Eu falei que tudo bem, que ela não era forçada a nada, e o Thiago me ajudou, falando que ela não tinha obrigação nenhuma, que poderia parar na hora que ela quisesse. Acho que ela ficou mais à vontade, porque falou que tudo bem, mas ela pararia se não quisesse nada, e que poderia até nem começar a acontecer... Entramos no motel, que ficava relativamente próximo à beira-mar, e pedimos uma suíte. Lá dentro, o clima ficou um pouco tenso, nós meio sem graça, e o Thiago percebendo isto se afastou um pouco e falou pra gente ficar a vontade... ele ficou afastado numa salinha do lado, lendo o cardápio.

        -Tá com vergonha? tensa? perguntei?
        -Cláro! Óbvio! ela falou
        -Então faz assim... deixa a gente começar te dando uma massagem, e daí você vai relaxando, e "dando liberdade" pra gente. Chamei o Thiago, e falei pra ele me ajudar numa massagem... Ela estava de saia preta, curta, e uma blusinha sem alça, que ficava facil de tirar. Coloquei apenas uma toalha no rosto dela, pra que ela ficasse mais descontraída, pois não precisaria nos ver. Começamos alisando as costas dela, depois passamos para as pernas, pés... Thiago sempre muito respeitoso... Começei a massagear a bundinha dela, e ela começou a rebolar... Entendí que ela estava realmente ficando à vontade. Dei sinal para que ele fizesse o mesmo, pegasse na bundinha dela também. Ela ja ajudava mais agora, mexendo bem os quadrís, e sua calcinha aparecendo quase que totalmente. Tirei minha roupa, ficando só de cuecas, e falei pro Thiago fazer o mesmo. Tirei a saia dela, deixando-a só de calcinha e de blusinha. Virei ela de frente, ainda com a toalha sobre seu rosto. Começamos a alisar a barriguinha, e eu logo toquei seus seios, com vontade, subindo a blusinha e apertando de leve como ela gosta. Dei sinal pro Thiago chupar os seios dela, e ela deu o primeiro gemidinho da noite.

Ele sentou-se, e me perguntou se podia beijar ele. -Claro, repondí! A sensação de ver ela beijando outro cara foi interessante, apenas uma pontinha de ciúmes, mas um tesão muito grande. Eu sabia que ela me amava, e que tava sendo apenas uma experiência gostosa pra ela. Após se beijarem um tempo, ela deitou no meu colo, e começou a passar o rosto no meu pau, por cima da cueca. Dei sinal pro Thiago tirar a calcinha dela. Pra sua surpresa, ela estava raspadinha... estiquei a mão e passei na bocetinha dela, e ví que ela estava muito molhada. Thiago aproximou seu rosto e começou a chupa-la. Logo-logo acontecia o primeiro gozo dela na noite. Era impressionante. Ela de perninhas abertas, pra outro cara, e eu vendo ela ser chupada. Me levantei e peguei logo uma camisinha. Ele foi coloca-la, mas antes ela passou a chupar seu pau ficando de quatro pra mim, e eu fiquei esfregando meus dedos tanto na sua bucetinha como no seu cuzinho, as vezes dava uma chupada mas logo voltava para ve-la chupando o pau do Thiago.

Demorou uns cinco minutos nisso, então ele colocou a camisinha, e eu passei a ser espectador nesse momento... ela abriu as perninhas, e ele colocou seu pau todo na bocetinha molhada dela, suavemente, mas de uma vez. Cada estocada dele ela se contorcia na cama pois ele  começou bem de leve e depois botou pressao, ela foi as núvens, me confessando depois. Ficaram nessa posição, e eu chamei ela pra ficar de quatro, posição preferida dela. Foi como no sonho. Ela de quatro, sendo comida por traz, e me chupando. A visão no espelho era realmente bonita. Acho que ela também achou, pois em um momento ela falou - Thiago, olha! - mostrando nossa imagem no espelho. Eu segurava seus cabelos enquanto ela chupava meu pau o Thiago botava pressao nela de 4 e os gemidos que ela soltava eu nunca tinha ouvido. Foi quando ele a puxou segurando-a pelos seios e ela tirou a boca do meu pau e o peito dele enconstou nas costas dela, entao aproveitei, cheguei colado nela e a beijei, nessa hora ela estava num sanduiche e me punhetava enquanto Thiago chupava seu pescoço. Ela pegou meu pau e ficou esfregando em seu clitoris ja que a bucetinha tava ocupada. Nosso beijo estava quente, molhado apaixonado, eu tava com um tesao descomunal e imagino ela. Entao me sentei na cama novamente e ela caiu novamente de boca no meu pau enquanto Thiago nao parava de bombar. Foi quando eu resolví tomar um banho, dando um pouco de privacidade para os dois. Demorei uns 10 minutos, quando voltei, ela estava de quatro, chupando ele, que estava deitado. Ele tinha perguntado se ela não iria fazer ele gozar, já que isso ainda não tinha acontecido (ela me falou isso depois). Fiquei por trás dela, colocando o dedo em sua bocetinha e me masturbando. Nós dois (eu e o Thiago) gozamos quase no mesmo momento. Eu joguei toda minha porra na bundinha dela e Thiago lambuzou todo o rosto dela, que nao sei porque nao quis engolir e sim so esfregar aquele pau lambuzado soltando gotas sem parar. Ficamos depois deitados, sem roupa, conversando durante um bom tempo.

-Não sei se vocês gostaram, mas eu adorei! . Saimos ainda outras vêzes, pois tinhamos achado que valia uma segunda rodada. Já que tinhamos ficado tensos no "primeiro tempo". Hoje guardo uma boa recordação dessa aventura, e, embora não fiquemos repetindo (não é nossa intenção fazer disso um estilo de vida, foi apenas uma boa experiência), a lembrança é realmente interessante.

Autor Casal Fortaleza

segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

Dona Ivone. O boquete único

Ao lado da casa que moro atualmente, mora Ivone!, uma cinquentona, loira alta, sempre usa vestido longos, as vezes umas bermudas compridas e raramente jeans.Mas da p/ perceber que Ivone ainda "da um bom caldo", tem olhos bem azuis uma bunda grande, coxas roliças, e peitos pequenos.
Ivone mora só à muito anos, nunca se casou. Sempre que dá tempo quando a gente se vê batemos altos papos.
Na terça feira passada meu telefone tocou logo cedo, era ela me pedido para ajuda-la.
Ivone me perguntou se eu tinha furadeira, e se sabia e podeira instalar uma prateleira, num quartinho que ela tem no quintal. Prontamente me ofereci, pois somos bons amigos, fui lá com furadeira, martelo, parafusos, chaves de fenda, buchas e etc.
Enquanto fazia o serviço, conversamos sobre várias coisas, ríamos um pouco.
Serviço terminado guardei minhas coisas, então Ivone me perguntou: Quanto era o meu serviço?, lhe respondi que não era nada, que ela podia sempre me chamar se precisasse de algo que eu soubesse fazer.Ela agradeceu me ofereceu um café muito gostoso!
me encostei na pia de sua cozinha enquanto tomava o café Ivone me disse:
Você vai viajar?, eu respondi que não por esse dias então ela me falou:
- mas você já ta com a mala pronta, eu não entendi fiz aquela cara de quem está por fora e estava mesmo!.
Ela apontou o dedo para o emu pau! e disse: ai!!!! tá mesmo com a mala pronta!
Fiquei de pau duro na hora!!!!!!
Ivone se levantou da cadeira onde estava sentada, veio em minha direção ficou passando sua mão sobre meu cacete! e me beijando a boca, o pescoço, me enfiou a língua no ouvido e disse:- faz tempo que estou com vontade de fazer isso, mas sua namorada tá sempre por perto.
ajoelhou na minha frente abriu meu jeans abaixou-o e começou a me chupar!!!!!
iiiiiiiiissssss! que delícia a coroa chupa com uma maestria enorme, ela fica dando chicotada de língua por baixo da cabeça do pau, e olhando na minha cara.
Ivone dava umas babadas e umas cuspidas na cabeça, punhetava forte apertando e depois engolia inteiro, pois meu pau como já disse em outro contos não é dos enormes, é simples mente normal!, mas a boca da coroa que vive cheia de batom é um "show".
Ivone ficou me chupando uns 15 minutos, então grudou as duas mãos em ninha bunda, e aumentou a pressão dos lábios no meu pau e seu vai e vem ficou rápido, segurei em seu cabelo, e......... aaaaaaaaaaa!!!!!!!!! enchi sua boca de porra!. Ivone foi engolindo tudo e depois ficou apertando o meu saco e espremendo a cabeça do pau até sair a ultima gota! de porra.
Foi uma chupeta e tanto, então se levantou e me perguntou se eu tinha gostado, ao que respondi que sim e que iria querer mais vezes,ela disse que isso já era para ter acontecido mas lhe faltava coragem! apesar de notar meu jeito de olhar p/ ela em nossas conversas.
Então lhe confessei que já tinha batido muita punheta pensando nela! Ivone me disse que agora não precisava mais fazer isso.
Eu então disse a Ivone que dá próxima vez queria comê-la mas só faria isso se fosse "COMPLETO" , oral, anal, e vaginal.Ivone então soltou uma gargalhada e me disse:
"UÉ EU NÃO SEI FAZER DE OUTRO JEITO", você conhece um outro jeito de trepar?

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

Na casa de maquinas


Na festa de final de ano da empresa tava tudo ocorrendo normal, amigo secreto. churrasco, musica. Tava tudo muito divertido e eu como nao sou boba nem nada estava curtindo muito, fui com um vestidinho solto por causa do calor e ele realçava meu corpo curvilineo, deixando meus seios bem torneados e minha bundinha bem empinadinha. Botei uma calcinha bem cavada no intuito de provocar todos os meus amigos que me viam como uma pessoa recatada e ate um pouco excluida da turma da bagunça. Sei que percebi varios olhares dos homens que nem me olhavam durante o ano todo mas naquela festa nao tiravam o olho de mim, talvez por causa da surpresa de nao terem  percebido que eu sou gostosa.

O chopp rolava solto e eu com certeza bebi mais do que devia e dancei com todos que me convidavam, sentia eles se aproximando mais do que devia mas eu tava gostando so que eu  fugia das esfregadas mas estava  toda radiante ja que todos pareciam me querer. Eu parecia uma fantasma na empresa e nessa festa tava sendo reconhecida por todos, dançava  com um com outro virava um copo de chopp, virava dois ate que me senti ja um pouco tonta pela bebida e resolvi me sentar um pouco. Foi quando o chefe do RH sentou-se ao meu lado e ficamos conversando entao ele falou que ia dar uma saidinha para fumar e eu por educaçao falei que ia acompanha-lo ja que o nosso papo estava otimo entao fomos ate o barril de chopp pegamos mais dois chopps e fomos para a area destinada aos fumantes.

Ele como sempre foi cavalheiro me deixou ir na frente e eu caprichei no rebolado ele ficou quieto parecia ter ficado atônito e eu segui o provocando, no meio do percurso ele me segura pelo braço quando me viro para ver o que é ele ja me da um beijo que eu mesmo assustada nao recuso, como nao pegaria bem se alguem nos visse ali nos beijando ele me puxa para a casa de maquinas que estavamos ao lado, ele abriu a porta e o barulho dos compressores era altissimo ate me encomodava mas continuamos o nosso beijo ate que sinto ele com uma das maos na minha coxa e vai levantando meu vestido, eu o interrompo mas ele entao para de me beijar e desce seus labios para os meus seios, eu fui para tras mas nós nao nos escutavamos por causa do barulho das maquinas, entao ele pediu desculpas e voltamos a nos beijar mas suas maos bobas continuaram e num breve lapso que eu tive eu percebi que ele ja estava com as maos por dentro do meu vestido segurando meu bumbum eu nao impus resistencia e ele se aproveitou e levantou meu vestido por inteiro e deu uma olhada na minha calcinha e se agachou enfiando sua cabeça entre minhas pernas e com sua lingua em busca da minha bucetinha. Ele começou a me chupar ainda por cima da calcinha e eu sentia sua lingua querendo rasgar aquele bloqueio, nao havia lugar para eu me apoiar entao joguei uma das pernas por cima do seu ombro, ele entao puxou minha calcinha de lado e meteu a lingua na minha vulva ja molhadinha de desejo e começou a enfiar um dedinho tambem eu entao comecei a rebolar lentamente nos seus dedos e naquela lingua que nao parava de dançar pelo meu grelinho.

Entao ele se levantou e num toque nas alças do meu vestido ele escorreu pelo meu corpo e foi ate o chao deixando meus seios desnudos e fiquei ali na sua frente so de calcinha, entao ele abaixa minha calcinha e começa a chupar meus seios. Eu nao encontrava lugar para me apoiar entao resolvi eu me agachar e abrir a calça dele e me salta um pau maravilhoso, duro e grande. Nao resisto e começo a chupa-lo ali nuazinha agachada na casa de maquinas fazendo um boquete no meu amigo de trabalho, enquanto todos nossos amigos estava há menos de 20 metros dessa putaria gostosa. Começo a chupa-lo bem babado entao ele me levanta eu me apoio de costas pra ele na porta e sinto aquele pau percorrendo minhas coxas a procura da minha bucetinha, pego aquele pauzao com a mao e o encaminho para a portinha da minha buceta e BUMMMMM ele abre o caminho e escorrega para dentro e começo a sentir ele bombando atras com muita volupia. Ele segura minha bunda com as duas maos e vai estocando forte segura nos meus seios e beija minhas costas entao eu me abaixo um pouco mais para facilitar e sinto que ele deixa escorrer saliva pelo meio do meu bumbum enquanto esta no vai e vem e essa saliva chega ate meu cuzinho, quando dou uma breve gemida por causa disso sinto que seu dedao de uma das maos invandi meu cuzinho.

Eu nao curto muito anal entao tratei de me apressar e me virei de frente pra ele, as maquinas fazem um barulho ensurdecedor entao podiamos gemer alto, ele entao levanta uma das minhas pernas e tenta me comer de pé de frente para ele, seu pau por ser grande encontra meu buraquinho nessa posiçao desconfortavel e entra com tudo, eu nunca tinha feito nessa posiçao e tava gostando muito ele entao começa a estocar forte e avisa que vai gozar e na suadeira,  e no tesao do momento pergunta onde ele poderia gozar eu aviso que nos meus peitos entao ele tira o pau da minha bucetinha e começa a bater uma punheta eu me agacho e começo  a sentir as gotas quentes de porra nos meus seios quando ele esta ja todo sensivel eu o abocanho e engulo o finalzinho.

Nos arrumamos apressadamente e saimos dali sem ninguem ver,  e trago essa historia comigo. Toda vez que passo ou ouço o barulho da casa de maquinas ja sinto um tesaosinho na minha xaninha.

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

Que Pegada

Olá eu sou a Denise e trabalho como assistente financeiro de uma empresa de entretenimento, como trabalho com o computador sempre ligado sempre fico com o msn a disposiçao, outro dia um amigo da empresa me adicionou e mesmo trabalhando proximos agente sempre fica teclando durante o dia todo e numa dessas conversar o assunto foi inevitavelmente para sexo mas nada demais, porem passados os dias o negocio foi esquentando. Ele nao parecia ser tao safado como ele é no  msn e nem eu muito menos, mas o assunto foi ficando legal e eu deixei rolar. Ate um dia que ele me falou que se ele me tivesse eu nao aguentaria a pressao,  para nao ficar por baixo falei que quem talvez nao aguentaria seria ele e ficamos nesse disse e nao disse durante um bom tempo. Ele sempre me elogiando e eu nao vendo toda essa potencia nele mas tudo bem, tava divertido.

Teve um sabado que o nosso departamento teve de ir trabalhar so no periodo da manha por causa de um erro do sistema, entao chegamos todos mas trabalho que é bom foi pouco, entao eu e o Paulo ficamos teclando no msn com as mesmas sacanagenzinhas de sempre, foi quando eu disse pra ele que tava com preguiça, pois tinha saido na  sexta e hoje eu tava quebrada e coisa e tal, ai ele pra me provocar disse entao que eu tive sorte porque se eu estivesse bem ele ia demonstrar pra mim o que é ter pegada, eu perguntei como assim? E ele nao perdeu a chance e disse que se eu quisesse quando desse meio dia nnós sairiamos dali e ele me mostrava com todo o prazer. Eu fiquei pensando o que ele poderia fazer, achei que ele so queria me comer e que ele nao poderia fazer nada mais do que eu ja havia feito. E como nao tinha nada para fazer no sabado de tarde achei que seria melhor eu sair com ele porque pelo menos eu relaxava um pouco. Entao o provoquei perguntando do que ele era capaz e ele falou que so mostraria na hora certa. Comecei a ficar com muito tesao e  aceitei.

De longe da minha mesa eu ficava fitando e nao achei que ele poderia ser tao bom de cama mas vamos lá. Quando acabou o expediente descemos juntos e  fomos em direçao ao carro dele, quando entramos ele veio e me deu um beijo, nada demais e nem tentou me passar a mao ou qualquer coisa do tipo, portanto fiquei meia desconfiada e rumamos para um motel. Chegamos na portaria, entregamos os documentos de praxe mas tava tudo muito frio entao eu pensei comigo: " Pelo menos vou dar uma trepadinha com esse gatinho"  Quando chegamos no quarto ele fechou a porta da garagem e eu fui saindo do carro e para provoca-lo perguntei: - Será que vc é tudo aquilo que me falou.

Ele  entao me pegou firme pelo braço mas sem dor levou meu corpo junto ao dele em que pude sentir seu peito expremendo meus seios, que nao sao pequenos e sim volumosos me olhou nos olhos e disse: - Agora voce é minha. Fiquei um   pouco assustada mas me entreguei e fui beija-lo, foi quando ele desviou-se do meu beijo eu entao olhei um pouco perplexa para ele e ele me disse: - Voce nao quer pegada? Eu disse que sim com uma carinha de anjo. Entao ele seguiu: - Tira a roupa agora.  Eu tentei argumentar que era melhor entrarmos no quarto mas ele disse que nao que queria me ver nua ali antes de me beijar. Eu gostei da brincadeira ainda fingi tentar relutar mas fui abrindo minha blusa e fiquei so de sutien ele entao encostou-se no carro e ficou admirando entao pediu para eu tirar tudo, eu deixei minha saia escorrer e fiquei de calcinha ai desabotuei meu sutien e deixei meus seios expostos vi no seu rosto o desejo mas vi que ele nao partiu ainda pra cima e fiquei desconfiada sobre a tal pegada entao somente de calcinha fui me agachando para abrir sua calça para chupa-lo. Quando me aproximei ele segurou meu rosto (eu adorei) me olhou nos olhos e disse quem tinha deixado eu chupa-lo. Meu tesao fez minha bucetinha ficar humida na hora ele entao falou que por eu tentar fazer algo que ele nao tinha falado eu seria penalizada, eu perguntei como? Ele entao mandou eu tirar a calcinha e eu fiquei completamente nua na garagem do motel, eu ouvia os carros passando e eu ali nua de frente para o Paulo entao ele  veio me puxou pra perto dele e me beijou eu me entreguei novamente e fui procurar seu pau ele entao tirou minha mao e falou que havia deixado eu pegar no seu pau,  fiquei meio sem saber o que fazer entao ele me jogou contra o carro e minha bunda ficou empinada pra ele. Foi quando ele abriu minha bundinha e enfiou sua lingua direto no meu cuzinho, deixei minha cabeça cair sobre o carro e me empinei mais, ele entao fui subindo sua lingua pelas minhas costas ate minha nuca, depois me virou de frente pra ele chupou um pouco meus seios e disse: - Vem putinha, vem pro quarto e eu fiquei entregue e comecei a gostar quando me virei para ir para o quarto senti seu corpo grudar no meu e ele falou que minha bunda era linda e que ele nao aguentaria chegar ate o quarto, mas faltavam apenas cinco passos eu argumentei mas ele me virou de frente pegou nos meu seios e entao eu lhe pedi:

   -  Posso chupar o seu pau? Ele falou que eu estava aprendendo e disse que sim entao ali no chao da garagem me ajoelhei abri seu ziper, sua calça escorreu, nao abaixei sua cueca e tirei seu pau pelo lado e me apareceu um pauzao lindo e duro e eu o abocanhei num boquete bem babado chupando suas bolas e percorrendo todo o mastro, levantava minhas maos pelo seu peito, minha buceta tava em chamas mas  eu nao conseguia parar  de chupa-lo ele me levantou me deu um beijo me colocou sentada no capô do carro e caiu de boca na minha bucetinha, eu me retorcia e gemia e nem mais ligava para os carros e o movimento do   motel.  Entao ele veio me beijar e senti o gosto da minha bucetinha e foi enfiando seu pauzao procurando minha entrada eu o posicionei e entrou um pouquinho e depois ele segurou o meu rosto me olhou nos olhos e em uma estocada so botou tudo e começou a bombar forte, eu tava adorando deitada naquela carro sendo comida na garagem de uma maneira violenta,  ele segurava meus cabelos, me xingava de puta, de vaca, de gostosa. Ele nao parava,  nao sei quanto tempo estavamos ali, ate que me viro apoio um dos pés no pneu do carro e empino minha bundinha pra ele que sem perder tempo começa a comer minha bucetinha agora eu estava de costas para ele e a sua pressao era enorme ele nao parava de me comer forte, segurava meus seios, me puxava pelo cabelo, dava tapas na minha bunda me chamava de puta, ai que delicia.

     Quando eu pensei que ele tinha cançado, ja que eu tinha, dei uma parada me virei pra ele e ele me jogou contra a parede e começou  a me comer de pé, levantou uma das minhas pernas e voltou a me bombar eu me abracei a ele para a posiçao ficar mais comoda e mais, mais, mais.  Foi quando eu nao aguentei mais e eu me agachei e comecei a chupa-lo para ver se aquele homem gozava porque eu ja havia gozado umas duas vezes entao ele começa a gozar e eu que nao sou boba nao deixei escapar nada deixei aquele pau limpinho. Entao resolvemos entrar para o quarto para tomarmos um banho, como estava muito calor ja entramos direto no chuveiro a agua ainda gelada fez com que ficassemos abraçados e eu ja senti seu pau endurecendo de novo, so peguei um pouco de folego e ele ja me segurou contra a parede, me pegou pelos cabelos, eu me entreguei entao ele se agachou e começou a me chupar, sua lingua dançava pela  minha bucetinha e seu dedo ficava roçando meu cuzinho eu ia a loucura e me esfregava em sua boca, ele entao me virou de costas para ele e enfiou sua lingua no meu cuzinho e seus dedos foram para minha bucetinha, eu gemia, me contorcia, entao ele se levantou me segurou forte veio comm sua boca ate o meu ouvido e disse:


   -  Quero sua bundinha agora. Nao respondi somente me empineio e fui sentindo a penetraçao que por causa da agua teve mais resistencia e foi muito gostoso - ele bombou devagar mas depois pegou ritmo, e sem desencaixarmos fomos para cama onde eu fiquei de 4 na beira da cama e ele ficou de pé, abrindo minhas nadegas e metendo fundo, me abri toda ate que ele tirou seu pau e começou a gozar na minha bunda caimos desfalecidos na cama, bebemos algo e ficamos como amigos intimos por um bom tempo. Eu nunca pensei que aquele carinha com cara de nerd tinha tanta pegada. Uiiiiii.

sábado, 10 de dezembro de 2011

Prostituta do marido


Resolvi contar algo que aconteceu comigo e com meu marido, depois de tanto ler contos me deu vontade de relatar o meu..
sou casada a 13 anos eu meu marido que vou chamar de “Paulo” temos um bom casamento somos bem resolvidos na cama..de uns quatro anos para cá,Passei a ficar diferente,a ler contos e relatar minhas fantasias para ele…aff e o medo
mas para minha surpresa,Ele adorou as minhas fantasias que não são poucas são muitas e bem exitantes…e Ele passou a participar das minhas fantasias,e descobri que ele também tem uma fantasia.

Somos um casal normal…vou me apresentar…Hum me chamo “Renata” tenho 36 anos muito mas muito branca,1,65 75kg bem distribuídos  seios bem fartos e bunda tbm, cabelos castanho claros e lisos.
Ele 1,72,90kg bastante cabelos nos peitos e cabeça raspada..lisinha amo…passar a mão na caraca dele…quando ele passa nem minhas pernas aff…hummm.
Resolvermos ir a um motel,em uma segunda feira nada de mas… já sabia tudo que ira acontecer..imaginava Eu.
Coloquei um macacão vermelho…(sem calcinha) claro me maquiei toda um batom vermelho que amo…adoro batom vermelho,um sapato,prata bem alto..nada discreta…por volta de meia noite e meia resolvermos sair…de casa e fomos para o Motel, já no começo da rua,Ele me mandou descer eu não entendi nada.
Ele falou,quero fazer algo diferente com vc hoje eu espantada sem entender nada falei que?Quero te deixar,na esquina e pegar vc depois como se vc fosse uma prostituta.Eu fiquei com uma  cara de espantada mas ja exitada com a ideia! fomos por em pratica
soltei do carro e fiquei parada no mesmo lugar ainda…
Ai ele voltou e disse não quero vc na esquina e la seu lugar…ai.ai pensei que eu vou arrumar…fui andando ate a esquina,bem em uma encruzilhada toda de vermelho…ja viu….detalhe …esquina com Av. Brasil…
Os carros passavam e começavam abuzinar eu exitada mas envergonhada,Ai eu acho que baixou algo em mim rs!rs! Me transformei… comecei agosta das buzinas coloquei mas batom com mão na cintura…esperando meu CLIENTE chegar…ai Ele chegou como uma boa garota de programa me debrucei no carro e fui conversar com ele realmente não era eu que estava ai…ele perguntou meu nome me apresentei com Suzana.
E começamos o papo para saber conde iriamos quanto seria o programa…em quanto isso minha xana… estava já exarcada…e latejava muito eu estava a flor  da pele fomos para um motel,eu ja quase não me aguentava mas,entramos no motel, ja com muita vontade…mas Eu ainda incorporada a prostituta que ele queria …começou falar de coisas e agente realmente parecia que nunca tinha nos visto.
Rapidamente ele me jogou contra o espelho do quarto e começou a beijar meu pescoço.Parou pediu um vinho..e tempo passou ele trouxe uma taça de vinho…hum que delicia,veio ele por tras de mim com muita  vontade encaixou em mim,a essas alturas minha xana estava explodindo de vontade e o mel escorria ´pelas minhas pernas eu senti algo que nunca tinha sentido antes….
e começou a tira minha roupa e falava que me escolheu no ponto queria fazer comigo tudo que não fazia  com mulher dele,que eu era uma bela prostituta…toda gostosa,que ira acabar comigo na quela noite ai que tezão com todo carinho tirou minha roupa,com todo carinho veio beijando meu corpo com muito carinho,
foi descendo e derrepente se fez presente seus lábios quentes e úmidos. Ah...  percorrendo minha xana a língua quente…dentro de mim me fazendo delirar de prazer, hum... (estou excitada ah).
Eu ali não esquecendo que eu era a prostituta particular dele,ele me puxou pelos meus cabelos e me pois para sugar seu pênis que na quele momento estava mas duro que nunca e groso! Eu fui sugando com muita vontade mesmo de engolir ele todo e no vai e vem foi por um bom período …ah que delicia parecia um belo sorvete q vc chupa rápido porque esta derretendo..não demorou muito,ele me colocou de quatro abriu minha bunda com toda vontade lubrificou e meteu a vara em mim com muita vontade,em um vai e vem como uma bela Prostituta,não teve muita dificuldade em colocar tudo em mim,com muita vontade eu bebendo vinho e dando minha bunda como nunca hum….vai ….come..sua Prostituta com vontade come….ele me chamava de puta…Eu falava me fode que eu quero ser fodia..hoje …hum…ai que delicia ai …continua vou gozar hummmmmmm!!! aiii Gozei como nunca dando meu cu para ele …ele não aguentou me puxou pelo cabelo e gozou jogando seu leitinho todo dentro do meu cuzinho….ah que delicia ….minha xana continuava a latejar ..ai fomos …para o banho … e por isso continuamos sempre apaixonados.

Fonte - contosveridicos
Autora - mulher ideal

 

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

Sou a puta dele

Deu-se que naquela tarde Jonas resolveu ligar-me do trabalho:
- Oi Narceja, estou precisando de você aqui.
- Aqui...? Onde? Perguntei já me insinuando.
- Aqui entre as minhas pernas, debaixo da minha mesa. Disse com uma voz de travesseiro.
- Não me excita, que sinto fome...Ameacei.
- Vou jorrar litros se você vier... Prometeu.
- Chego aí em meia hora. Disse já salivando.

Larguei o que estava fazendo e segui em direção ao seu trabalho. Um escritório de advocacia localizado no centro da cidade. De carro, tentava me concentrar no trânsito enquanto meus pensamentos voavam para Jonas... Ali sozinho naquela sala, duro, com vontade, sem mulher alguma para satisfazê-lo. Cabia apenas a mim, sua namorada, não deixá-lo passar necessidade.


Sentia fome, desejo, fascínio lascivo por aquela situação. O fato de um homem me chamar para realizar suas necessidades físicas me enchia de orgulho em ser mulher.
Parecia que era esse o meu destino e sina, satisfazê-lo. Já namorávamos há 1 ano e eu mesma tomei tal decisão: Teria o direito de masturbá-lo sempre que quisesse e não o deixaria desperdiçar, uma única vez, seu mel da vida. Tomaria sim, porque o amava.

No carro, sentia meus instintos de caçadora aguçados molharem minha calcinha. Parecia-me tomada por uma ordem acima da minha própria vontade. O via ereto em minha frente, com sua mamadeira imponente pronta para me dar leite.

Como mulher, amante, namorada achava-me na obrigação de tomar de seu corpo o que era meu de direito. Parecia-me uma honra a ser conquistada. Sentia-me superior, intacta em minha moral, o amor justificava tudo.

Usava um vestido soltinho de verão até os joelhos e uma calcinha de renda branca. Minha “menina” iniciava um choro baixinho de desejo e vontade. Tinha muito orgulho dela, de seu tamanho e de sua profundidade. Sua aparência era bastante agradável aos meus olhos. Deixava-a sempre sem qualquer fio de cabelo, achava desta forma asseada. Gostava do montinho de carne que se formava no final do V de sua forma. Passei a mão nela enquanto dirigia e pude notar sua umidade.

- Calma menina! Vai já matar sua vontade! Disse dando-lhe um tapinha.

Meus pensamentos se voltavam para o quê os moralistas chamam de “vulgaridade”, embora o eu aprecie por “ liberdade”. Pensamentos que me levavam a pensar palavras chulas, obscenas e necessárias naquele momento. Eu era uma putinha faminta por vara!

Ah... a vulgaridade... se assim o quiserem chamar... Uma vadia mamando debaixo da mesa. Uma vagabunda chupando rola. A certeza do não o sê-lo tornava-me livre de maiores moralidades e feminismos desnecessários.

Vi seu prédio e procurei uma vaga para estacionar enquanto verificava as lágrimas de minha “menina” molharem minha calcinha:
- Se acalma!! Você terá já o que merece. Disse alto, para que minhas palavras fossem ouvidas por mim, livre dos olhos infelizes do Não.

Estacionei em uma vaga dentro da garagem subterrânea do prédio e desci do carro, sentindo meus fluídos melarem o vão das minhas coxas, preparando o terreno para ser feliz.

Andei rapidamente até o elevador, sendo observada por alguns homens, que de alguma forma, que não sei explicar, pareciam saber que levaria rola dentro de pouco tempo. Via em seus olhos o tesão que lhes provocava.

No elevador, apreciava meu decote no espelho. Meus seios fartos e duros, suculentos como frutas maduras, meu corpo de fêmea logo se abriria para ser curada por um macho.

A porta do elevador se abriu e vi a secretária beata de meu namorado:

- Boa tarde Dona Narceja.
- Boa tarde Vilma. E o Jonas?
- Já pediu que a senhora entrasse. Disse-me não me olhando nos olhos.

Evidente que ela sabia o que estava prestes a acontecer, o que se sucedia todas as semanas. Seu olhar de repressão excitava-me mais ainda. Sentia-me confrontante diante daquela simples mulher...Uma pobre mulher infeliz aprisionada em seu mundo de moralidades sociais broxantes e insanas.

Livre e com um sorriso no canto da boca, de desprezo por seu olhar repressivo, peguei na maçaneta da porta do escritório de meu namorado e a abri, pronta para ser mulher.

E então o vi, sentado em sua mesa, dono do meu corpo e vontade me disse:
- Feche a porta, que já está cheio! Ordenou.
Entrando em seu jogo, fechei a porta e antes de dar o primeiro passo em sua direção, ele completou: - Venha engatinhando como uma cadelinha, de quatro. Ou Não ganha leitinho quente!! Dissem em tom sério, com tesão.

Já encarnada no papel daquele dia, do grande teatro de amar carnalmente um homem, obedeci e ajoelhei-me no chão, enquanto Jonas se levantou da cadeira ficando em pé e tirando sua tora de carne da calça, balançando-a ao ar e mandando seguir adiante, tal qual uma cadelinha atrás de seu alimento.

Os 3 metros que nos separavam excitavam-me cada vez mais, à medida que sentia meus joelhos tocarem o chão e me aproximar dele. De sua arma! Todo homem possui uma entre as pernas, uma arma desejada e ameaçadora para nós mulheres, o Pênis.

Me aproximei de seu órgão carnudo e duro, e cheirei recebendo o primeiro tapinha de vara na cara: - Cheira primeiro! Ordenou.

Cheirei e fui ao delírio, abocanhei sem mais delongas. E suguei a cabecinha de seu pênis moreno e molhado. Salivava sentindo-o diluir em minha boca, desfazer-se em líquidos transparentes e abundantes. Em gosto de homem, gosto de rola, de pica, de tora, de liberdade.

E mamei em seu cogumelo vermelho e reluzente, enquanto imaginava, nesse momento, a secretária frustrada lá fora, e eu ali, de joelhos mamando o patrão dela. Como me sentia superior àquela coitada moralista. Superior por ter aquele pedaço de carne na boca, tapando e enchendo-a de carne roliça e cheirosa.

O cheiro que Jonas exalava de seu órgão quase me lavaram ao orgasmo ali mesmo. Um pênis suado de trabalho, o dia inteiro dentro da cueca, a acumulação de cheiro de macho que se formou a tarde inteira, e agora livre exalando virilidade por toda a sala.

- Vem aqui para debaixo da mesa, vem. Pediu.
Jonas, me mostrando o pau, e sentando-se em sua cadeira abriu espaço para que eu fosse para debaixo de sua mesa:
- Mama feito cadela, mama.Pediu carinhoso.

Entrei debaixo de sua mesa e fui imprensada por suas pernas abertas tendo apenas seu pau na minha frente. Vi seus testículos grandes sentarem na cadeira e os lambi à medida que engolia enquanto Jonas ligava para alguém.
- Vilma, chame o estagiário Henrique aqui que quero lhe passar algumas providências a serem tomadas.


Sua safadeza me excitou mais ainda e passei a mamá-lo com mais vontade, com mais fome, mais “putamente” mulher, solta e livre.
- Amor, manera na mamada que quero gozar com ele aqui dentro.
Comparsa de sua fantasia, dei uma parada na mamada esfomeada e passei apenas a assoprar o buraquinho de sua cabecinha e a passar a pontinha da língua acalmando-o mais, ao mesmo tempo deixando-o excitado, sem perder o ritmo. Não haviam dúvidas, seu leite naquelas situação seria um prêmio alcançado por poucas mulheres.

O telefone tocou, e Vilma disse-lhe que o estagiário estava entrando. Ouvi a porta se abrir e me senti vadia ali debaixo da mesa. Imaginei o que pensaria o pobre capacho de advogado se me encontrasse ali, naquela situação, mamando o chefe.

- Henrique, você pegou o processo no fórum? Perguntou Jonas.
Mamei com força na cabecinha sentindo seu pau pulsar dentro de minha boca.
- Sim Doutor, aqui estão! Disse Henrique.
Mamei puxando a pelinha em torno de seu pênis e sentindo-a movimentar-se dentro de minha boca.
- Quero... que vá novamente... ao cartório da 1ª vara.. Da 1ª vara civil e pegue os processos do caso do Doutor Carlos que teremos uma reunião amanhã.
Engoli nesse momento todo o pau, quase engasgando e pedindo com a língua, me preparando pra tomar leite quase na frente de outro homem.
- Tenho que ir ao fórum amanhã, hoje não dará mais tempo. Respondeu o estagiário.
Prestes a receber a golfada de leite quente de Jonas, apressei a mamada chupando sua cabeça com força, masturbando-o com a força e delicadeza de meus lábios, queria beber leite com Henrique ainda dentro da sala.
Jonas tentava se controlar e se preparar para gozar sem dar muita bandeira:
- Então está certo. Pode ir.

Apressei a mamada e sentindo o ferro quente prestes a explodir dentro de minha boca, ouvi os passos de Henrique em direção a porta de saída e escutei na hora que ele se virou e disse:
- Bom divertimento, Doutor! Falou em tom de risada se retirando da sala.
E nesse momento, Jonas despejou litros de porra na minha boca, enchendo-a por completo enquanto Henrique fechava a porta do escritório.
Ainda terminando de gozar Jonas segurou-me pelos cabelos e gozou tudo dentro da minha boca gemendo baixinho e xingando:
- Toma vadiazinha safada, toma porra, que é o que tu merece safada! E gemeu.
Bebi tudo com muita vontade enchendo a barriga e ficando satisfeita por mim, por haver gozado também com meu dedinho nervoso molestando meu clitóris melado. Havia gozado momentos antes de Jonas, baixinho, embora com bastante intensidade.
Após a gozada, alisou meus cabelos, me levantou me colocando sentada em seu colo, o abracei com bastante forca e ternura, apertando-o forte.
- Eu te amo, pois és minha! Disse baixinho, me beijando.

Me levantei de seu colo, limpei o rosto, o beijei novamente na boca e disse-lhe que tinha que ir pois tinha um compromisso. Me despedi do meu amor, ainda com seu gosto nos lábios.
Cumprimentei a secretária Vilma e entrei no elevador, mas antes que a porta se fechasse Henrique a parou apressado e entrou comigo no elevador me cumprimentando apenas com os olhos. Olhou para meu corpo com desejos de homem e ao chegarmos na garagem, no exato momento que a porta do elevador se abria, ele enfiou a mão no bolso e tirou alguma coisa e me dirigiu a palavra: - Aceita um Halls? Perguntou.

Sorri de imediato aceitando a balinha. Coloquei na boca, agradeci e me dirigi em direção ao meu carro sentindo uma felicidade plena de ser o prêmeo de um único homem, mas de também ser desejada por outros. E ser unicamente fiel a um, ao homem que eu amei.

fonte - contos.blog.br
Obrigado pelo envio

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

No meio da festa

Meu marido pela primeira vez foi chamado para a festa de final de ano da diretoria da empresa em que ele trabalha, nem preciso dizer como ele ficou entusiasmado, apenas  os diretores, os acionistas e os melhores executivos no qual inclui meu marido sao convidados. Depois de 14 anos ele teve seu reconhecimento por isso estava muito feliz. A festa foi num grande hotel  aqui de Sao Paulo e todos os homens foram de black tie e as mulheres estavam todas bem vestidas e mostrando suas jóias. Eu comprei um vestido que ficou colado no meu corpo,que mostra minhas curvas, ele tem uma fenda lateral e um decote nao muito grande ja que meus seios sao um pouco grandes, afinal eu teria que estar apropriada para a tal festa, para nao deixar marcas coloquei uma calcinha preta minuscula botei as meias 7/8 e me achei provocante mas social.

Quando chegamos no salao tudo era muito chic, as taças, os talheres, o pano das mesas, todas as mulheres muito bem vestidas. Me senti um pouco deslocada mas mantive minha postura ja que meu marido estava radiante. Sentaram conosco na mesa mais dois casais, todos mais velhos que nós ja que estamos na casa dos 40 e as duas senhoras eram muito antipaticas. Depois fiquei sabendo que eram dois diretores importantes e meu marido  ficou babando ovo para eles. A festa se desenvolveu o jantar foi servido e depois começou a apresentaçao dos relatorios e logo apos começou um show e começaram a servir mais bebidas. Meu marido empolgado bebia mais do que devia e logo foi chamado para conversar em  outra mesa e eu fiquei ali sozinha assistindo ao show ao lado das senhoras que so contavam vantagens uma para a outra, entao resolvi ir ate o banheiro para rever a maquiagem e coisa e tal.

O local era enorme e eu nao sabia onde era o banheiro entao vaguei um pouco pela festa ate que tive que perguntar para um garçon que me disse que o banheiro feminino do salao era do outro lado  mas me disse que havia os banheiros do hotel que era so sair por uma porta que no corredor mais a frente teria toalets. Sai por essa porta ao lado e segui em um corredor enorme. Cheguei lá posso dizer que éra o banheiro mais lindo que ja vi e tava vazio,  entao revi minha maquiagem naquele enorme espelhos,  fiz minhas nescessidades e retornei pelo enorme corredor. Voltei para a festa e vi meu marido conversando com um grupo de homens e quando ele me viu me apresentou para eles, todos muito educados e simpaticos porem frios. Voleti para minha mesa e as senhoras nao estavam, fiquei ali passando o tempo e peguei uma champagne para tomar, tomei uma, duas, tres, e fui dançar um pouco, meio timida no canto. O garçon passou e peguei mais uma taça, a musica tava otima e a aglomeraçao de pessoas perto da pista aumentou foi quando sinto uma resvalada de mao no meu bumbum, eu ja tava um pouco alta e nem liguei, depois senti outra e me mudei de lugar mas olhei para ver quem era. Um homem mais ou menos da minha idade, moreno,  lindo e quando ele viu que eu olhei me retirou a taça que eu estava na mao e me entregou outra.  Agradeci a gentileza e continuei dançando,  ele veio ate perto de mim e disse que eu era linda. Dei uma buscada com o olhar para achar meu marido e o vi rindo e bebendo do outro lado do salao. Agradeci novamente a gentileza dei uma medida no homem vi que era casado e fui para a minha mesa, e fiquei fitando aquele homem de longe, mas devido as 5 taças de champagne me deu vontade de ir ao banheiro.

Ate pensei em ir no  que era mais perto da minha mesa mas havia adorado o banheiro do hotel entao cruzei todo o salao abri a porta do corredor e segui nele. Quando fecho a porta e começo a andar pelo corredor percebo que a porta se abre novamente olhei para tras e vi que era o tal moreno, olhei para a frente e segui.  Ele  se apressou e se aproximou com passos largos, entao me chamou, olhei para tras e  ele me falou:

   -  Sabe o que eu quero? Eu disse que nao.  Ai  ele falou:

  -  A  mulher mais linda dessa festa. Ai eu respondi:

  -  Entao deve ser sua esposa. E entrei no banheiro, ele  entrou comigo fechou a porta, eu olhei para ele assustada. E ele me indagou.

   - Por que quando eu passei a mao na sua bunda,  por duas vezes vc nao reclamou? Eu disse que nao queria causar tumulto. E ele perguntou:

   - Mas voce gostou? Eu olhei para ele e me vi fechada naquele banheiro e percebi como ele era lindo e respondi a coisa mais idiota que eu poderia  talvez por causa da bebida tentei ser sincera:

    - Qual mulher nao gosta de se sentir desejada?  Perguntei pra ele.

  Ele entao me puxou de encontro para ele me olhou nos olhos, siceramente fiquei rendida a muito tempo um homem nao havia me pego com  tanta pegada, ate mesmo em casa eu nao fazia sexo ja fazia uns dois meses, nao ia ser a primeira vez que eu iria trair meu marido mas novamente pensei em nao arrumar um tumulto e no embaralho dos meus pensamentos ele me beijou, eu me entreguei o beijei gostoso,  obvio que tinha gostado de sua mao resvalando no meu bumbum e depois senti que ele foi mais fundo na segunda passada de mao.  Ele entao me beijou me abraçou segurando meu bumbum por cima do vestido com uma mao e a outra adentrou pela fenda e tambem foi para o meu bumbum, quase gozei de tesao. Nao  perguntei seu nome e nem queria saber. Ele entao levanta meu vestido me joga de encontro a pia do banheiro e fico com meu bumbum todo pra fora.  Percebo que ele tira o pau pra fora e começa a esfregar na minha bunda entao ele tira minha calcinha me olha pelo espelho com ela na mao e diz que nao iria me devolver, eu procuro seu pau com minha mao para tras e o encontro durissimo entao o encaminho para minha bucetinha e o pau dele desliza facilmente para dentro da minha bucetinha me inundando de prazer, o pau dele era mais grosso do que do meu marido,  mas entrou muito facil devido ao meu tesao acumulado.


Ele entao segura meus seios e começa o vai e vem delicioso, eu fico ali o vendo pelo espelho com minha saia levantada e meu bumbum empinado sendo alvejada por aquele pauzao gostoso que entra e sai sem parar,  ele segura nas minhas ancas e vai mais forte, e vai mais fundo eu estou totalmente entregue entao ele me da dois tapinhas,  e eu enlouqueço e começo a gemer e murmurar e sinto que ele vai colocando, sem parar com o vai e vem, e enfia o seu dedao da mao no meu cuzinho e continua a bombar. Ele pega em meus cabelos e eu me jogo para tras, como ele percebe que gostei do dedo na minha bundinha, entao ele tira seu pau da minha bucetinha e o vai colocando no meu cuzinho,  vou rebolando lentamente para ajudar a penetraçao ate que aquele pauzao consegue me arregaçar.

Ele entao faz movimentos de estocada e eu uivo de prazer, ele massagea com seus dedos meu clitores e eu me retorço,  rebolo, ali apoiada na pia me olhando no espelho com aquele moreno lindo engatado em mim, vejo sua boca, ouço seus gemidos e começo a gozar, sinto que fui do terreo ao decimo andar e entao ele
tira o pau pra fora e começa a gozar deixando seu mel escorrer pela minha bunda eu me viro de frente pra ele e o ajudo  punhetando ate acabar tudo. Entao ele se arruma fecha suas calças me da um beijo e sai do banheiro.

Gente eu fiquei ali durante uns 5 minutos me recompondo, abaixei minha saia, arrumei minha meia, me retoquei por inteira e sem a calcinha,  ja que o safado levou, entao voltei para o salao.  Cheguei na mesa e as duas senhoras estavam lá, logo chegaram seus maridos e o meu tambem me pedindo desculpas por ter me deixado sozinha. O show deu uma parada pois o presidente da empresa iria fazer o pronunciamento meu marido estava entusiasmado e entao o presidente sobe que para minha surpresa era o tal moreno gostoso. Meu marido o aplaudio tanto e eu para nao deixar desconfianças tambem.

Bomdiasenhoritas