quarta-feira, 29 de maio de 2013

O nudismo nao saiu imune



Os fatos que agora vou relatar, aconteceram em dezembro de 2009. Em primeiro lugar vou descrever nossa fisionomia. Sou branca, 28 anos, tenho cabelos castanhos lisos, 1,65 de altura, 50kg, bem magrinha, peitos médios, bundinha e proporcional à minha estatura, faço o tipo ninfeta, meu marido é moreno, 30 anos, cabelos curtos, 1,75 de altura, 90kg, bem peludo, estilo ursinho. Eu e meu marido sempre tivemos curiosidade em conhecer uma praia de nudismo, mas nunca tivemos coragem, porem após de 5 anos de casamento e muita confiança, deixamos de lado a vergonha,e fomos matar nossa curiosidade. Já tivemos algumas experiências com garotas e garotos de programa, mas nada como o que aconteceu nesta nossa primeira visita à praia de nudismo. Estávamos sentados na areia, um pouco envergonhados com a situação de estarmos nus em frente a outras pessoas, vimos muitos casais, e pessoas solteiras passando por nós o dia todo, após tantas horas observando o comportamento "naturista" das pessoas.

Eu e meu marido já estávamos até nos acostumando, em ver e ser vistos por tantas pessoas nuas, até que passou em nossa frente um rapaz alto, aproximadamente 1,80 de altura, branco, corpo bem definido, e com um rola enorme daquelas bem cabeçuda, que a gente só vê em filme pornô americano, disfarçadamente olhei para o rapaz e para seu membro volumoso, minha bucetinha encharcou na hora, os bicos de meus seios ficaram duros, nossa aquela pica cabeçuda realmente me deixou muito excitada, tentei disfarçar minha excitação, mas meu marido percebeu minha situação, e me perguntou se eu tinha notado algo diferente no rapaz, eu não me contive mordi meus lábios e fiz um gesto com a cabeça concordando, não aguentei e comentei ao meu marido sobre o tamanho do pênis do rapaz. Meu marido muito safado perguntou se eu não teria coragem de dar para o pintudo, estava com tando tesão pois nunca tinha visto um membro tão grande de perto, e novamente fiz o gesto concordando com a proposta dele.

O sujeito estava se banhando no mar bem frente a nossa direção, tomei coragem e perguntei ao meu marido se poderia ir próximo ao rapaz, ele concordou, fui próximo ao rapaz e comecei a puxar assunto, meu marido nos observava, o rapaz percebeu que eu não parava de olhar para sua pica, e minha bucetinha estava muito inchada, e totalmente exarcada de tesão, foi quando ele me perguntou seu já tinha visto uma rola daquele tamanho, fiquei paralisada por um tempo, mas respondi, que nunca tinha visto algo daquele tamanho, e que mole já era daquele jeito imagine duro, não me contive e perguntei o tamanho de seu membro, o safado me respondeu com um sorriso no rosto, 23cms de comprimento e 8cms de grossura, nossa o maior pau que já entrou na minha bucetinha não tinha mais que 18cms por uns 5cms de grossura. Decidi convidar o sujeito a conversar comigo e meu marido na areia, ele ficou um pouco envergonhado com o rumo da conversar mas concordou. Conversamos um pouco juntos, foi quando meu marido nos convidou para tomar um drink em nosso chalé. Meu marido percebeu minha curiosidade, e não acreditava que eu aguentaria dar para uma pica tão grossa e cabeçuda, acho que nem ele acreditava que eu fosse tão safada.

Quando chegamos ao chalé, tomei coragem e fui logo pegando naquela rola descomunal, o mesmo ficou surpreso com minha atitude, mas deixou a coisa rolar, eu passava a mao, amaciava ele o pau foi crescendo, comecei a mamar aquela pica grossa, que mal cabia a cabeça em minha boca, minha bucetinha molhada de tesão, minhas pernas tremulas, foi quando eu olhei para meu marido, que estava muito excitado com a cena, e perguntei se podia sentir aquela rola grossa, o safado apenas fez um gesto com a cabeça dizendo que sim, fiquei de quatro, pois apesar do tesão, estava com medo de sentir dor, pois nunca tinha dado para uma rola daquele tamanho, e esta posição é a que eu mais me sinto relaxada, o rapaz encostou a cabeçona da pica na entrada da buceta, pedi que me penetra-se, ele foi colocando devagar pois tinha noção do tamanho avantajado de seu membro, comecei a gemer de tesão e dor, senti aquela rola enorme me rasgando por dentro, pensei que o safado já tinha enterrado tudo na minha bucetinha, foi quando ele falou bem na minha orelha que só estava a metade para não me machucar, nossa senti minhas bochechas ficarem queimando de tesão, puxei o pintudo e pedi para ele rasgar minha buceta.

O safado enterrou tudo sem dó, gritei e comecei a morder o travesseiro para abafar meus gritos, senti uma mistura de dor e tesão que quase gozei, mas me controlei, o safado viu que eu tinha aguentado, começou a bombar cada vez mais forte, eu urrava naquela posiçao, pedi para ele deitar-se, e fui cavalgar naquele membro duro, nossa que sensação deliciosa, me sentia preenchida, sentia aquela cabeçou puxar o interior de minha buceta para fora, o sujeito me puxava pela bunda contra seu membro, a cabeça de sua pica batia forte , mas o safado queria mais, começou a passar o dedinho no meu cuzinho, não aguentei e comecei a rebolar no seu pau, ele percebeu que eu tinha ficado mais tesuda com suas dedadas, me sussurrou que adoraria comer meu cuzinho, senti meu grelo saltar para fora neste momento, só imaginando o tensão que eu sentiria se desse meu rabinho para aquele pintudo, não pensei duas vezes e me coloquei de bruços com um travesseiro por debaixo da barriga, minha bundinha ficou empinadinha, meu marido pegou o gel que estava em nossa bagagem, enquanto o pintudo lubrificava seu membro, meu marido ficava esfregando seu pau na minha cara.

O rapaz com seu membro extremamente duro e todo lambuzado de gel, encostou a cabeçona na entrada do meu cuzinho, pedi para ir devagar, meu marido ficou apalpando meus seios me enchendo de tesao, o rapaz  foi enfiando com cuidado, eu me contorcia na cama de dor e tesão, estava doendo muito, a cabeçona de seu pau nem tinha entrado ainda, pedi mais gel para ajudar na penetração, o rapaz colocou quase o tubo todo, agora meu cuzinho já estava todo lambuzado, empinei bem minha bundinha para facilitar, o pau do meu marido na minha boca, dei uma olhada para trás fiz um gesto com o dedo chamando o pintudo, enquanto ele enterrada a aquela rola cabeçuda no meu cuzinho, eu gritava de tensão e dor, mas desta vez estava com tanto tesão, que não impedi a entrado daquela rola grossa, quando percebi suas bolas já estavam encostada na minha bunda de putinha, eu mordia o travesseiro com tanto tesão no rabo, ele tirava e colocava bem devagar.

Eu não acreditei que aguentaria aquela tora no rabinho, mas estava louca de tesão para gozar, foi quando pedi para ele dar mais pica no meu cuzinho, o safado começou a bombar mais forte, ouvia o barulho do seu saco batendo na buceta encharcada, nossa aquela barulho me deixava muito tesuda, tomei coragem e pedi para ele forçar aquela rola grossa no meu rabinho, pois eu já estava para gozar, ele apenas forçava a pica sem tirar muito, gritei com a respiração ofegante quando gozei, pois havia sentido aquela cabeçona bater no fundo do meu cuzinho, nunca tinha sentindo um orgasmo tão intenso, minha buceta babava em abundancia, , meu corpo se anestesiou na hora, o rapaz não aguentou muito tempo e antes de gozar, tirou a pica da meu cuzinho  e jogou sua porra farta toda em cima da minha bundinha, meu marido batia uma punheta frenética e gozou logo em seguida também sobre minha bundinha, tomamos um breve banho e nós despedimos do rapaz.

 Fomos jantar fora, durante o trajeto no carro, sentia minha buceta toda dolorida por dentro, pois a cabeça do pau do rapaz era muito grande. Após o jantar, eu e meu marido fomos para o chalé descansar. No outro dia voltamos para São Paulo, mas ainda não tivemos oportunidade de repetir a "festinha". Sempre que lembramos da situação, transamos com muito tesão. Quem sabe se acharmos outro pica tão grande e cabeçuda como a daquele rapaz, voltamos a repetir.

2 comentários:

  1. Que porcaria de conto

    ResponderExcluir
  2. Lindo, adoro ver minha mulher ser fodida por uma pica grande

    ResponderExcluir