terça-feira, 19 de julho de 2016

SEXO NO IATE

Passo ferias na casa dos meus avós em Santos todos os anos, desde que eles se mudaram para la. Tenho 20 anos e estou na faculdade e para não perder o costume fui nas ferias de julho para o apto dos meus avós. Lá tenho muitos amigos e um deles é o Marcos, que me disse que trabalha de freelance em barcos e Iates de bacanas. Perguntei pra ele quanto ganhava por dia e ele me falou uma media de 300 a 400 reais, com gorjetas em media. Fiquei super empolgado e imaginando que bom se eu conseguisse um desses para mim. Ele falou que se pintasse algo ele me falaria, mas que o trabalho era duro e que devíamos sempre servir os tripulantes com muita educação, já que são pessoas de nível social alto e coisa e tal. Na verdade só me interessei pelo dinheiro, e quem sabe poderia ter uma chance para mim.

Passou-se duas semanas e eu nem mais me lembrava disso, quando o Marcos me liga e pergunta se eu estaria disponível de sexta para sábado, de imediato disse que sim, então ele falou que passaria em casa para falar comigo. Quando ele chegou logo foi me explicando sobre o trabalho. Seriam 300 reais para eu passar a tarde de sexta ate o meio dia de sábado. Ele já estava agendado com outro marinheiro e iria num percurso maior de sexta ao meio dia ate segunda feira e então ele me indicou para esse trabalho mais curto. Aceitei de prontidão e ele pediu para eu chegar as 11 horas para dar tempo de ele me apresentar ao Marinheiro que seguiria viagem.

Cheguei na garagem de barcos as 10:30 e fiquei ali o esperando, logo ele chegou e me levou ate o Iate que eu iria. Chegando lá fiquei bestificado com o tamanho da embarcação. Resumindo coisa de gente bem rica. O barco era enorme, possuía uma sala logo na entrada e tinha e andares, sendo que o ultimo era onde ficava o piloto ou marinheiro. O andar do meio tinha a sala, uma espécie de barzinho que ficava logo na entrada na parte de trás do barco, uma cozinha, um local para tomar sol na frente do barco e umas cadeiras e mesinhas. Tudo isso com muito luxo, mas muito mesmo.

Me apresentou ao marinheiro Sr. Luis, um Sr magro muito educado que me entrevistou por 5 min. Logo ele percebeu minha índole e falou que eu serviria e me passou as instruções. - Nunca olhe nos olhos dos patrões e seus convidados. Faça tudo de prontidão, sem pressa e aja naturalmente com tudo. E de inicio ele pediu para eu tirar o pó, caso encontrasse algum ambiente sujo ali. Despedi do Marcos e ficamos esperando os donos. Um pouco antes disso Sr. Luis desce e me explica que sua esposa iriam com eles, pois ela era a cozinheira e que qualquer coisa eu podia perguntar a ela. Logo ela chegou, uma senhora meio gordinha muito educada e que me tratou muito bem.

Não demorou muito e os donos chegaram, era um senhor que já de olhar para ele vc percebe que o cara era rico, seu nome Dr Artur, grisalho, levemente careca e muito educado. Sua esposa Sra Clara, ela era um pouco mais rude, mas nada que eu não pudesse suportar, autoritária, e bem distante. Ela chegou muito bem vestida, de óculos e chapéu. Vieram também um casal mais jovem que parecia ser sua filha e o namorada, e também uma outra garota muito linda que também era filha deles.

Saímos do Guarujá por volta das 13 horas e fomos navegando não sei para onde, umas 15 horas foi servido o almoço e minha primeira prova de fogo foi vencida. Logo dona Vera a cozinheira me elogiou. Fiquei super agradecido e fui chamado para levar mais vinho para os donos. Cheguei na parte onde tomavam sol e de óculos escuros, consegui esconder que não tirei os olhos da filha mais nova do casal. Ela estava ali com um bumbum lindo tomando sol. Nem olhou para mim quando a servi, devia ter a minha idade. Servi a todos, todos muito educados mas era como se eu não existisse. Quando era por volta de umas 18 horas paramos em frente a uma casa enorme numa ilha, todos desceram e ficou no barco apenas eu, dona Vera e Sr Luis. Aproveitamos e jantamos.

Quando deu umas nove horas da noite, eu estava olhando a paisagem escura do mar percebo uma movimentação na casa. Então pergunto a Dna Vera onde dormiríamos ou coisa assim, ela me fala que geralmente ela dorme lá na cabine de pilotagem com seu marido e que eu dormiria num local ao lado da cozinha que tinha um coxonete. Por mim ok, pensei que íamos dormir ali mesmo quando vejo Dr Artur e Dna Clara voltando para o barco, suas filhas ficaram na casa, depois descobri que era do pai do namorado de uma delas. Entraram no barco e o Dr Artur passou as recomendações e o Sr. Luis já ligou o barco e saímos dali em direção a escuridão do mar. Estava do lado de fora observando quando Dna Vera me chama para servir mais vinho. E então ela me fala que dali uma hora eles vão parar numa baia e que vão dormir ali. E que eles já haviam jantado e que o que os donos precisassem era para eu fazer. OK eu disse.

Servi duas garrafas de vinho ate a meia noite, logo me avisaram que não precisavam mais dos meus serviços e que era para eu avisar para Dna Vera. So que a Dna Vera ja havia subido faz tempo e resolvi mesmo assim ir lá falar. Olhei para dentro e percebi que os dois já haviam dormido. Então desci para o local onde eu dormiria e já fui me arrumando. Neste tempo que eu ja estava quase dormindo ouvi um briga entre os donos os dois discutiram feio e o motivo era o casamento da filha. Fiquei ali quieto e logo tudo se silenciou. Mas não demorou muito Dna Clara foi ate onde eu estava e me chamou, acordei um pouco tonto, e ela me pediu que eu subisse e chama-se a Dna Vera. Fui ate a cabine e bati na porta sem resposta, insisti e logo o Sr Luis perguntou o que era e já acordou Dna Vera.

Eu desci e logo atras já veio Dna Vera e as duas ficaram ali na cozinha mexendo numas coisa e como não precisaram de mim, fui ate meu local e desmaiei, só acordando por volta das 06:30 da manha. Quando sai do meu lugar e entrei na cozinha estava Dna Vera e Sr Luis acabando de arrumar as coisas, então o Sr Luis veio falar para mim que os patroes tinha ido dormir umas 5 da manha e eles estavam ali deixando tudo limpo e que era para eu avisar que ficaríamos mais um dia ali só retornando no domingo e que eu ganharia 1.000 reias fechado por esse inconveniente e detalhe já me deu os mil reais ali em dinheiro. Avisou também que ele e Dna Vera tinha ganhando ate as 16 horas do sábado de folga, que o barco ficaria ali aportado e que eles iam de bote ate a ilha ali que la moravam familiares deles. Por mim tudo bem eu disse.

Fiquei ali olhando a distancia a Ilha Grande, agora ja sabia onde eu estava, na baia onde estávamos só tinha nosso barco e a terra ficava a uns 800m. Quando deu umas 10 horas da manha Dr Artur acorda, ouço um barulho vindo da cozinha e logo fui para ajudar em algo. Fiquei surpreso quando entrei e o vi nu tomando cafe e olhando o mar, perguntei se precisava de algo, ele falou que não e fui para parte de trás do barco e ficou ali lendo o celular. Fiquei ali na cozinha parado esperando algum chamado. Quando ouço que Dna Clara vem subindo as escadas e entra na cozinha. Quase cai para trás a mulher me aparece com uma camisola branca transparente, um conjunto super sexy por baixo, já de óculos escuros e chapéu, pediu um cafe, um suco de laranja, neste momento seu Artur grita de onde esta e pede também cafe e suco.

Dna Clara vai ate ele e os dois ficam ali no sol, praticamente despertando e eu levo seus pedidos numa bandeja e deixo ao lado deles e retorno para a cozinha. Mas a imagem da Dna Clara não me sai da cabeça. Quando ela se virou para ir de encontro ao seu marido eu olhei para sua bunda e fiquei bestificado de como aquela mulher era gostosa. Logo Sr Artur me chama e pede uma garrafa de espumante, vou ate a cozinha, abro a garrafa sirvo em duas taças e levo para eles. Voltei para a cozinha e fiquei esperando outro chamado. Já era umas 11 e meia e eles não me chamavam para nada fui ate um local onde dava para espia-los e vi os dois praticamente no mesmo lugar, bebendo o vinho e conversando. Voltei ali e fiquei mexendo no celular quando Dna Clara aparece na porta da cozinha e me pede algumas frutas, vou separando e colocando numa bandeja e ela me pede para já traze-las.

Ela foi na minha frente e eu não pude deixar de olhar para sua bunda por trás da camisola transparente. Mas o que mudou tudo foi que enquanto passávamos pela sala indo em direção ao fundo do barco ela me tira a camisola, e a joga encima de uma espreguiçadeira, e fica apenas de lingerie e chapéu. Coloco as frutas encima de uma mesa entre os dois, e percebi que o Sr Artur nem se importava de estar nu nem de que sua esposa estivesse de lingerie. Quando fui saindo não obtive respostas sobre se precisavam de algo a mais e quando estava chegando a cozinha dei uma olhada para tras e vi Dna Clara tirando o que lhe restava de roupas, fiquei numa posição que podia vê-la nua. Seus seios eram enormes, lindos ela não parecia a idade que devia ter, ela tinha marcas de bikini, seus pelinhos da sua xana eram bem aparados, seus cabelos loiros a deixavam mais selvagem e ate pensei em tocar uma punheta pra ela ali mas me segurei.

Logo fui chamado de novo e quando me aproximei tentei de todas as maneiras desviar o olhar da Dna Clara. Sr Artur percebendo sorriu e comentou com ela que ela estava me deixando sem graça e que era para ela colocar uma roupa. Ela respondeu que ate parece ela ia sair da sua privacidade por causa de funcionário. Ele riu, então ela falou e se ele for gay, vc também esta nu Artur, bota uma roupa vc. Ele em tom de brincadeira perguntou se eu era gay? Respondi que não. Então ele riu e ela também. Perguntei se queriam algo mais? Disseram que qualquer coisa me chamam... Sai dali de pau duro, como aquela mulher era gostosa, eu quase vi a abertura da sua xaninha, seu corpo era escultural. Estava la na cozinha dentro das minhas confusões mentais quando escuto um barulho diferente, era isso mesmo eles estavam transando.

Os gemidos eram altos, me deu uma vontade de olhar o que estava acontecendo, mas me mantive firme. O problema eh que não acabava. Não resisti e fui ate o vão da porta para ver. O que vi logo de cara foi Dna Clara no sofá, na parte interna do barco de quatro e olhando pela janela o mar e o Dr Artur atras dela bombando e segurando os seus seios, ele metia com força nela e ela gemia. Meu pau subiu na hora, eu o tirei da calça e comecei a me masturbar olhando aquela cena. O homem não parava de meter na mulher, e ela não parava de gemer. Então ele se cansou um pouco e sentou nesse sofá e Dna Clara sentou de frente pra ele e começou a cavalga-lo. Seu bundão ficou virado para mim e vi a beleza dele perfeitamente, o pau do Sr Artur era enorme e ela escorregava naquela vara e pulava com vontade, o homem enfiou seu rosto entre os seios dela e se fosse eu ali não sairia tao cedo, e foi o que ele fez.

Serio elas já estavam metendo ha uns vinte minutos e eu ali me segurando para não gozar. Ate que eles se levantam ela se ajoelha na frente dele e o cara começa a gozar na cara dela e ela chupava seu pau e sua porra, algumas gotas escorriam pelos seus seios. O homem foi meio que cambaleando ate a espreguiçadeira e ela foi em direção as escadas para descer para o quarto. O problema eh que ela para ir paras as escadas viraria ate minha direção e foi o que ela fez e me viu ali. Não sabia como me comportar, mas ela sim. Sem problema algum olhou para mim e pediu toalhas que ela iria tomar banho. Corri ate onde tinha e quando voltei ela não estava ali, então fui ate o deck e falei que estava com as toalhas da Dna Clara e o Dr Artur perguntou o que ele tinha haver com isso eu disse que ela tinha ido para o quarto se banhar e... ele me interrompeu e pediu para eu levar la as toalhas.

Desci as escadas e fui coloca-las na cama para quando ela saísse já estivessem la. Deixei ali e subi. Quando cheguei encima o Dr Artur veio falar comigo. Se eu poderia ficar quieto sobre tudo que aconteceu ali. Eu disse que sim que não tinha visto nada. Ele falou: vc viu sim...eu sei.
Falei que vi e ele perguntou o que eu achava da mulher dele, disse que era uma mulher belíssima. ele disse Ótimo. Desceu para os quartos e pediu para eu preparar outro vinho e mais frutas, preparei tudo e deixei no deck quando estava voltando para a cozinha encontrei com os dois subindo as escadas nus. Esperei eles passarem para eu entrar quando Dna Clara fala para mim tirar a roupa. Fiquei meio sem saber o que dizer ou fazer, mas fui tirando, Doutro Artur olhou para mim e foi para o deck, mas Dna Clara se sentou numa poltrona e ficou vendo eu tirar a roupa. Quando faltava só a cueca ela pediu para eu parar, foi ate o deck pegou sua taça e voltou a se sentar no mesmo lugar. E disse: - Tira!

Quando eu tirei meu pau tava duro, muito duro, eu tava quase gozando. Ela ficou meio que me assistindo, tomou mais um gole e me chamou para perto. Quando cheguei bem próximo ela segurou meu pau com as duas mãos e veio com a sua boca me chupar. Quando ela meteu os lábios na minha boca eu olhei para o Dr. ele estava olhando mas sem reação. Então ela começou a me chupar para valer, com vontade, chupava minhas bolas, a cabeça do meu pau, passava ele no seu rosto, eu estava imóvel só vendo, não resisti e peguei nos seus cabelos e dei uma puxadinha para ela olhar pra mim. Ela gostou, Dr Artur se levantou e veio mais para perto. Eu mesmo peguei meu pau e comecei a bater devagarzinho no rosto dela que estava gostando. Dr então me chama e quando eu olho para ele, ele me joga uma camisinha e me manda perguntar se ela quer.

Clara só se ajeitou melhor na poltrona abriu as pernas, como se fosse um convite e eu já cai de boca naquela buceta. Nem cheguei a pensar que ela tinha acabado de ser comida, chupei aquela buceta linda, não perdi tempo e dei umas linguadas no seu cuzinho, ela adorou se abriu mais, eu chupava sua buceta e enfia um dedinho no seu cuzinho. Ela gemia e pediu para eu fode-la. Botei a camisinha e deitei encima daquele mulherão e comecei a penetra-la forte, com estocadas fortes. Ela não teve resistência e só gemia o quanto podia. Senti seu Artur por perto e ele foi e colocou seu pau na boca da esposa. Ela chupava ele e dava pra mim ao mesmo tempo. Uma imagem que nunca mais esquecerei.

Artur se sentou no sofá interno ao lado da sua esposa e ela ficou de quatro no chão, me posicionei por trás, abri aquele bundão e meti de novo naquela xana quente e linda. Sua bunda era perfeita, a marca de bikini a deixava linda, seu cuzinho era lindo, um pouco aberto, mas bem pouco. Parecia que ele pedia para ser metido. Fui estocando ali sem parar, dei um tapinha devagar e ela gemeu, dei um um pouco mais forte e ela gemeu mais. Então ela tira a boca do pau do marido, olha pra trás e me fala para eu não ter do. Dei um tapa bem mais forte e comecei a bombar com força, estava tudo uma delicia.

Então ela se levanta um pouco e senta no pau do Dr Artur e começa a cavalga-lo, fique meio perdido ali e comecei a passar a mão nas suas costas, fui descendo a mão ate seu bumbum, sem resistência, e procurei seu cuzinho, tomando cuidado para não tocar no pau do Dr. Encontrei seu cuzinho e enfiei um dedo, ela então pede para eu enfiar meu pau. Me posicionei atras dela e fui enfiando meu pau. A mulher gritava e quando sentiu meu pau todo dentro ela gemia alto. Depois começamos a nos mexer e começamos a meter mais forte. Ficamos assim um bom tempo ate que ela gozou...gozou...gozou...

Ela se ajoelhou no chão, eu fiquei de um lado Dr do outro e ela começou a chupar nos dois, alternadamente, as vezes quase juntos, eu avisei que ia gozar. Ela posicionou a boca na minha direção e pediu porra e eu dei, dei toda a porra acumulada desde de quando vi a filha dela. Logo o homem veio e gozou na cara dela toda. Ela nem foi para o banho saiu dali e pulou no mar, Dr foi atras e me chamou, também pulei no mar e ficamos ali um pouco. Logo subi e falei que ia colocar o peixe no forno para o almoço. Os deixei ali para curtirem sua intimidade.


Ficaram um bom tempo ali e depois subiram no barco e ficaram no deck, fui ate la para avisar que o peixe já estava quase pronto. Eram 15 horas, logo o Sr Luis e Dna Vera estariam de volta. Quando fui tirar o peixe Dna Clara apareceu já vestida com um bikini comportado e uma saia que por certo tambem tinha um bikini comportado por baixo. Ela falou que eu fui ótimo e eu falei que ela era linda. Ela então veio me deu um beijo e eu não resisti, coloquei aquela mulher de encontro a pia levantei aquela saia, tirei o bikini de lado e voltei a come-la ali, um de seus seios escaparam e eu pude segura-lo. Gemiamos alto, logo Dr veio ver o que acontecia mas só ficou assistindo, meti com força e a beijei muito. Ela se desvencilhou meu do meu pau, o pegou com a mao e direcionou para sua bundinha, adorei, foi se ajeitando e meu pau entrou todo, foi quando ela disse para eu meter forte, e foi o que eu fiz, sem do, como ela pedia, segurei sua bunda e meti forte. Quando avisei que ia gozar, dessa vez ela não quis sentir o sabor apenas tirou meu pau e ficou punhetando e me beijando ate que gozei na sua mão.

Enquanto eles almoçaram Sr Luis e Dna Vera chegaram, perguntaram se tudo tinha ocorrido bem, eu disse que sim e assim ficamos a noite toda servindo nossos patroes. Eu ate tinha uma esperança que eles me chamassem para o quarto deles, mas não rolou. No outro dia de manha eles se despediram de nos 3 juntos. Eu estava arrumando minhas coisas quando o Sr Luis falou que semana que vem teria outra e que eles haviam gostado da minha educação e se eu estivesse disponível poderia ir. Eu perguntei para onde? Ele disse que talvez o mesmo itinerário e que pra ele era bom porque eles poderiam visitar seus familiares. Falei que sim! Podia me chamar.

autor: BDS






2 comentários:

  1. Venho aqui para fazer uma profecia... pois eu estou convicto que irei comer o cú da minha amiga Paula Fernanda do Guarujá... tenho certeza de que vou fazer ela gozar com sexo anal mas antes eu quero lamber muito aquele cúzinho dela, deixar bem molhadinho para minha piroca escorregar gostoso... Aquela bunda grande na minha cara, que delícia!

    ResponderExcluir