quinta-feira, 13 de outubro de 2016

SWING CASAIS CASADOS

Nas férias.

Amigos, me chamo Mauro, o que passo a relatar aconteceu comigo e minha esposa Pamela no verão passado, quando passamos as férias no balneário de Flores, com um casal de amigos.

Ao chegarmos no balneário, fomos ao camping proximo a praia. Eu e Fabrício ficamos encarregados da barraca, enquanto as nossas esposas se trocavam no banheiro. Arrumamos tudo e fomos a praia. Silvia ainda estava um pouco envergonhada, mas minha esposa Pamela, bem liberal, não teve problemas em mostrar seus dotes com seu fio-dental branco, que mal tapava seus lábios vaginais carnudos e desaparecia dentro do seu bumbum delicioso, a parte superior pouco cobria os seus seios suculentos. Eu não conseguia pensar em outra coisa a não ser na bela noite que iríamos ter os quatro naquela barraquinha apertada.

Já na areia Pamela deu um jeitinho de soltar e relaxar um pouco Silvia, que estava quieta, quando se bronzeavam, a praia começou a ficar deserta, então Pamela sugeriu para sua amiga que retirassem a parte de cima do biquíni, o que ela aceitou. Eu e Fabrício estávamos superexcitados ao ver aqueles corpos maravilhosos mas sá naquele momento nada fizemos, apenas ficamos admirando as garotas. No fim da tarde resolvemos voltar ao camping, as esposas se vestiram e seguimos de volta por uma trilha, a calma e o silêncio da praia nos dava uma sensação de isolamento que nos permitia muita liberdade ao mesmo tempo que inspirava insegurança.

 Íamos caminhando, quando de repente, um susto... algo se moveu entre a vegetação da trilha atrás de algumas rochas existentes a nossa frente. Fomos olhar em silêncio e com cuidado, e então vimos... eram três pessoas, dois homens e... uma mulher... bem juntos... trepando! A mulher estava de quatro com o bumbum bem empinado, chupava o pau de um , enquanto o outro comia sua boceta vigorosamente, nem nos notaram, o que estava recebendo a chupada so admirava o movimento da boquinha, o que comia dava estocadas bem ritmadas, sem parar, e a mulher ficava de olhos fechados se movimentando como uma bailarina.

Ninguém falou uma única palavra ou som, ficamos assistindo, cada casal abraçado, aquilo foi nos excitando, minha esposa e eu respirávamos profundamente um pouco nervosos assim como nossos amigos. Pamela, abraçada atrás de mim, veio enfiando sua mão devagar por dentro da minha sunga, sem se importar com Silvia e Fabrício que em frente podiam ver o que ela estava fazendo, e agarrou meu pau bem duro.

Enquanto o trio se acabava no bem e bom puxei Pamela para minha frente e a beijei, ela empinou sua bunda gostosa eu introduzi o dedo mindinho em seu ânus apertadinho. Enquanto isso Fabrício e Silvia estavam num amasso daqueles. Ele com o pau bem duro queria como louco penetrar a boceta de Silvia, ela fez com que ele parasse por que ouvimos do outro lado das rochas a mulher gemendo bem alto, quase gritando de prazer. A trepada comia solta, agora os dois homens começavam uma dupla penetração recheando-a bem devagar, sem pressa, sem parar, ela se agarrava nas pedras, seu rosto se contorcia, não sabíamos se de dor, de prazer ...ou ambos.

 Nos paramos o que estávamos fazendo para observamos a transa incrível, os homens urravam possuídos, a cada investida os seios dela balançavam e a mulher soltava a cabeça de um lado ao outro; não conseguimos tirar os olhos dos três, nossa respiração se confundia com a deles ninguém soube dizer quando a mulher chegou ao orgasmo nem quantas vezes ou se em toda a transa ocorreu um único e longo orgasmo até a hora em que os dois homens, num gemido mais forte e cada um no seu tempo, gozaram. O trio ofegante e cansado deixaram-se abraçados em cima da pedra.

Nos paramos o que faziamos para assistir de camarote aquele gran finale, Nos entreolhavamos mas nao falavamos nada, ate que a opçao de voltarmos ao camping foi dada e assim voltamos. Silvia e Fabricio foram na frente e eu e Pamela atras, aproveite e ia encoxando ela, ela sentia meu pau duro e gostava, percebemos que os dois na frente tambem se tocavam discretamente. Chegamos no camping Fabricio ja foi direto na mochila tirou uma garrafa de tequila e serviu 4 shots e antes de bebermos ele saudou o menage que haviamos visto. Todos sorrimos e viramos, a natureza nos ajudou enviando uma chuva, entao tivemos de nos abrigar na barraca. O calor ficou intenso e deixavamos uma fresta da barraca aberta, mas a chuva ficou mais forte!

Silvia em um ato desesperado para fechar um pouco mais a barraca para nao molhar dentro ficou de 4 tentando ajustar o ziper, olhei para aquela bunda gostosa, minha Pamela tambem e Fabricio quando viu deu uma leve passada de mao, e pediu para ela parar de ficar daquele modo, ja que tinhamos acabado de ver um menage e nao conseguiriamos nos controlar, todos rimos e Fabricio aproveitou e serviu mais uma rodada de shot de tequila. Logo que viramos mais um shot, todos juntos, me atraquei num beijo mais intenso com a Pamela, sem cerimonia alguma com ela, mas discretamente para com o nosso casal amigo eu enfiei meu dedo na sua bucetinha que nao resistiu nem um pouco, a safada tava molhada e com tesao. Sinto entao uma mao apertar minha perna por tras. Quando me viro para ver, vejo Silvia com o pau do Fabricio na boca e sua mao apertando minha coxa.

Minha Pamela se levanta e fica assistindo a cena, com certeza a safada olhava o pau do Fabricio, a mao da Sivia agora procura a minha, quando meus dedos retribuiram o afago ela apertou minha mao. Fabricio tira a camisa e sorrindo tambem tira o que restou da sunga ficando nu. Abre o bikini da Silvia e libera seus seios, sinto a mao da Pamela procurando meu pau, me viro pra ela e lhe dou mais um beijo, mesmo meio curvado seguro em um dos seios da Sivia, que coloca sua mao sobre a minha mostrando que queria que eu apertasse. Pamela tira meu pau pra fora e me posiciono de uma maneira que ela possa me chupar e ela abaixa a cabeça e me chupa. A chuva nao cessava nos dando um pouco mais de privacidade no camping. Mesmo nossa barraca estando um pouco mais afastadas das outra numa condiçao normal alguem entenderia facilmente o que ocorria ali.

Percebi que os dois pararam para nos ver agora, vi que os dois nao tiravam os olhos da chupada da Pamela, Fabricio entao foi se posicionando meio por de tras e comecou a chupar a Pamela, senti quando ele relamente tocou sua buceta pois ela parou um pouco de chupar e deu uma gemidinha. Neste exato momento Sivia deita meio por cima de mim e da seus seios para eu chupar. Meu parecia explodir, me deu uma vontade imensa de gozar e eu sabia que esse nao era o momento. Entao tirei meu pau da boca da Pamela e investi em chupar os seios da Silvia, deixando Pamela de 4 sendo devorada pela lingua de Fabricio. Silvia entao pega no meu pau e começa a se posicionar para chupa-lo, quando Pamela o tira da mao dela e fala para todos nos: - Gente vamos parar! Logo Silvia ja solta do meu pau e se retrai um pouco. Nos tres olhamos para ela e ela meia envergonhada diz que ja fomos longe demais e meio que começa a se arrumar, fiquei meio intrigado mas nessa hora tinha que ir para o lado do meu par.