quinta-feira, 22 de dezembro de 2016

A CRENTE CASADA QUASE VIRGEM

Sou casado, trabalho dando manutenção a computadores a domicilio. sou um cara de meia idade, grisalho, não me acho um cara que se destaque pela beleza, mas tenho meus momentos e agora quero relatar como conheci uma linda morena, casada, muito recatada e tímida, e muito religiosa, tanto que achei que jamais conseguiria nada com ela e  até ela me conhecer provavelmente ela nunca havia pensado  trair seu marido mesmo ´porque não eram casados a muito tempo, e seu marido até então foi seu primeiro e único namorado e logo se casaram, e  tudo começou de forma inesperada.

Foi assim eu  sai num domingo resolvi sair pra caminhar e aproveitar pra  comprar o jornal de domingo para ver alguns anúncios porque eu tava a fim de trocar de carro, e a banca ficava não muito distante de casa, foi quando a vi pela primeira vez ao atravessar uma avenida um pouco movimentado, paramos lado a lado percebi que ela permanecia de cabeça baixa olhei pra ela e vi ela portando uma bíblia provavelmente saindo de alguma cerimonia religiosa de algum templo pelas proximidades, fiquei abismado com a beleza daquela jovem mulher que tive uma  ereção apenas em vê-la, não nego que cobicei aquela linda jovem  era uma bela mulher, o sinal abriu e enquanto ela se afastava fiquei encantado observando seu lindo traseiro que se destacava embaixo de uma saia de jeans que marcava seu corpo, fiquei observando sua pele clarinha, e pude avaliar que ela tinha aproximadamente  trinta  anos, era uma mulher bem miudinha, por volta de 1,60 de altura, mais ou menos uns 55 quilos eu acho, observei que seu vestido estava abaixo dos joelhos, mas que mesmo assim destacava-se em seu lindo corpo, e uma bundinha empinada que se destacava, redondinha, mesmo vestida do pescoço aos pés  imaginei  seu corpo por baixo.

 Resolvi apressadamente dar uma volta no quarteirão par a poder observa-la mais de frente mesmo cansado e ofegando consegui ao ve-la e notei ainda que seus peitos pequenos, durinhos embaixo duma blusa com um pano acetinado que deixava despontar os seus bicos, bem durinhos pela forma que se destacavam na blusa que estava usando, não preciso dizer que essa mulher mexeu com meus desejos, diria que foi amor a primeira vista, eu precisava saber quem ela era, onde morava, se casada ou solteira, enfim  eu queria saber tudo daquela musa. tanto que no próximo domingo dei um jeito de estar ali  no mesmo horário, esperando que ela passasse novamente, disfarçadamente aguardei e minha persistência foi recompensado eis que não demorou muito vejo ela se aproximando mas pra minha decepção ela  estava com o braço entrelaçado com um homem, aparentando ser uns 20 vinte anos mais velho que ela passaram por mim, acredito que nem me notaram. Deduzi que poderia ser o pai não achei que fosse esposo porque ele era muito velho pra ela, e também pela forma bem discreta que estavam juntos, eles caminhando não tinha como distinguir se era pai ou marido, apenas sei que ela era casada pela aliança que usava  enorme por sinal, parecia  que era mesmo pra não passar despercebido e também  pra manter respeito.

Já na outra semana, resolvi descobrir qual era a igreja dela, se preciso fosse eu até frequentaria para me aproximar, depois que descobri passei a ir nos domingos, só pra ficar perto da  minha musa era evangélica claro não vou dizer o nome da igreja não importa,  aliás, era um templo muito bonito e simples. comecei sentando nos  bancos ao fundo a direita, tinha uma boa visão de quem chegava e para que ela não me visse. Passaram-se alguns minutos, ela chegou e com aquele mesmo acompanhante da vez anterior, entraram de braços dados mais uma vez. Aguardei um pouco e bem discreto, procurando não despertar qualquer suspeita, O culto demorou ainda minutos a começar, e com isso escutei alguns diálogos entre os dois, descobri que realmente casados,  prestei o máximo possível de atenção nos que os dois conversavam e, ao acabar a cerimônia, os segui de longe, pois como se deslocaram a pé, provavelmente residiam perto.

De fato, localizado a curta distância, vi o prédio luxuoso em que eles entraram e, no dia seguinte, logo de manhãzinha vim ao mesmo local, calculei que fosse um dia de trabalho externo do marido da minha musa e, na esquina fiquei observando e esperando a saída do marido do local, comecei a ter umas idéias na cabeça para me aproximar dela, e meu primeiro passo eu já tinha dado que era começar a frequentar a igreja dela, em casa minha mulher e filha até estranhou esse interesse repentino mas eu disse que tava indo a convite dum amigo pra ver como era e se gostava…. então eu dei um jeito de aos poucos me aproximar dos dois, percebi que em determinados domingos ela vinha sozinha, como quando termina as reuniões todo mundo cumprimenta todo mundo então não foi muito difícil travar uma discreta amizade com os dois, O Salmon e a Silvia.  

Depois de algum tempo eles sabendo o que eu fazia o marido dela me procurou dizendo que precisaria dos meus serviços no escritório, porque a pessoa que fazia pra ele ultimamente não atendia mais tão prontamente, precisava fazer uma faxina nos programas instalados porque o micro estava muito lento etc e tal …., fui até o escritório do Salmon, fiz o serviço no computador dele, ele ficou satisfeito que me pediu que eu fosse tambem ao seu apto para fazer o mesmo serviço no computador da casa e no notebook dele, perguntei quando  ele queria que eu fosse ele alou que eu poderia ir a qualquer hora que a Silvia me atenderia, na hora eu fiquei eufórico, era uma chance que eu esperava, e a recompensa pela minha persistência.
No dia marcado logo as primeiras hora da tarde cheguei a  portaria, o porteiro avisou e minha entrada  foi autorizada pela Silvia enquanto subia imaginei quantos computadores eles tinha pra ser consertado, quem sabe poderia unir o útil ao agradável. Subi toquei a campainha, aguardei um pouco e logo ela apareceu. muito formal elogiou a minha pontualidade e levou-me à um pequeno escritório dentro do apto, fiz um trabalho completo, bem minuciosamente revirei todos os arquivos e pastas pra ver se descobria algo que me interessasse,  acabei por descobrir o e-mail dela  consegui o que queria: arrumei seu computador  e o notebook pessoal, passei o antivirus, desfragmentei os arquivos ela me pagou o combinado e fui embora.

Na Semana seguinte no domingo o Salmon  comentou que iria viajar naquela noite mesmo e ficaria fora por uns 15 dias aproximadamente fui embora pulando de alegria e já na segunda feira comecei a investir, por e-mail  mandei-lhe uma dizendo um bocado de coisas bonitas a ela, laro que me identifiquei e falei-lhe que apesar de frequentar a mesma igreja e que sempre a via, mas nunca chegava próximo para puxar conversa com ela em razão dela estar sempre acompanhada do marido, resolvi mandar o e-mail que era bem mais discreto e mais fácil da gente se soltar, disse-lhe ainda que adoraria de saber mais dela, etc. Esperei a semana toda chegou o domingo, novamente fui a igreja ela nem olhou pra mim, passou-se até  a quinta mas não me respondeu. na quinta a noite tornei a escrever-lhe elogiando-a dizendo que queria muito ter a sua amizade,  pelo menos uma oi,  adicionei-a em meu  skype mandei-lhe um recado dizendo que poderia me adicionar se quisesse e assim poderíamos nos conhecer melhor e com mais tranqüilidade.

Sinceramente depois de uma semana e meia sem resposta já tinha perdido as esperanças, achei  que ela nunca fosse responder mas eu não desisti e  mandei-lhe outro e-mail com um  lindo poema exaltando sua beleza, sem resposta no dia seguinte outro bem romântico que exalta a beleza de forma em geral, mas nada, passaram-se duas semanas seu marido voltou de viagem, tudo continuou como antes, nos cumprimentávamos discretamente nos domingos de manhã, até que num domingo notei que ela estava sózinha, arrisquei perguntar do marido ela respondeu que viajando novamente, então resolvi investir mais uma vez, no domingo a noite mesmo mandei-lhe outro e-mail daqueles bem melosos e românticos,

Confesso que eu já estava quase desistindo, achando que aquela mulher era um muro impenetrável, mas para minha surpresa uma agradável surpresa por sinal, eis que na segunda feira a noite como sempre eu estava com o Skype aberto e recebo uma mensagem… era ela… apesar de toda minha experiencia eu tremia de emoção, começamos a conversar ela agradeceu pelos poemas e poesias que tinha mandado, dizendo que eu era muito gentil, que gostou mas pediu para que eu parasse de mandar porque tinha esposo e não ficava b em ela manter uma amizade assim, agradeceu-me  e pediu-me para não escrever mais a ela, porque seria perda de tempo, e que estava falando comigo por causa da  minha gentileza das belas palavras, e ainda me falou que não adiantava ter alguma sobre ela, só que nunca fui de desistir, quando quero algo eu corro atrás, insisti que conversar pelo skype não tinha nada demais, que ela não se preocupasse porque eu jamais a procuraria na igreja mesmo que se marido não tivesse junto em respeito, continuei a insistir e escrever, até que ela num dia estando sozinha me respondeu e trocamos algumas palavras,  numa destas mensagens falei-lhe que queria apenas uma pessoa para bater um bom papo, e que também tinha carências, falei que tinha poucos amigos e nenhum  em que pudesse confiar desejava apenas saber mais dela e ser um bom amigo e que ela podia  confiar  em mim. 

Diante de minha insistência e da amabilidade que lhe demonstrava, Silvia, aceitou minha amizade e de forma tímida ainda começamos teclar como tempo e com o transcorrer de nossas conversas, fomos nos tornando mais próximos, até que falamos de nossos cônjuges e de nossas crises e dificuldades.  ela algumas vezes reclamou  que o marido está sempre fora, ela normalmente ficava sozinha já que não tinha filhos, e eu estava me tornando um bom amigo, falou ainda que quando ficava sozinha já tinha até navegado em salas de bate papo, as vezes ficando até de madrugada, mas  que não se aproximava de ninguém apesar dos vários convites que já tinha recebido, justamente por causa da religião e de ser casada, descobri até que ela tinha outro endereço de Skype não oficial que o marido não sabia que ela usava quando ele estava fora justamente para não se comprometer e para que ninguém a ficasse pegando no pé. 
Após várias semanas teclando fomos nos tornando mais íntimos, Sofia inicialmente uma mulher bastante acanhada e recatada aos poucos ela foi se soltando e já eramos confidentes e acabou contando-me  de suas intimidades que apesar de ser casada a 8 anos ainda não tiveram filhos ela não sabia porque, ele se recusava a fazer exames, na primeira oportunidade entrei na área de sexo, perguntei se eles se davam bem ela respondeu que era normal sem nenhuma variação ou fantasia, aproveitei e falei que eu era um homem bem criativo que gostava de tratar a mulher com muito carinho de dar prazer, perguntei-lhe se seu marido fazia sexo oral regularmente com ela, ela respondeu que jamais ele fizera porque era conservador, aos poucos eu ia colocando as minhas fantasias na cabeça dela, entre tantas coisas falei que se ela fosse minha mulher eu a faria subir nas paredes, alem de beijar muito alem de fazer um bom oral, por várias vezes eu tocava no assunto no intuito de provoca-la e parece que minha estrategia estava dando certo porque ela não resistiu a minhas provocações e deixou escapar que seu casamento deixava muito a desejar, ele só  pensava no trabalho e ele quase não a procurava mais e que ele também nunca fora o parceiro que ela esperava, sentia falta de carinho que Salmon não lhe dava mas  ela não podia reclamar porque segundo a  igreja a mulher era pra procriação e para servir  ao homem que era o cabeça da casa e agradecendo o que ele lhe der. Silvia que se  casou bem cedo, na época com 20 anos, e seu marido já  45 anos à época, provavelmente por essa diferença de idade a mentalidade dele era conservadora principalmente na cama, embora reconhecesse que ele a tratasse muito bem, mas que ela se sentia mais um troféu que o marido exibia do que esposa, perguntei porque não se separavam então, e Silvia respondeu-me que jamais se divorciaria pois, se isso acontecesse, seria discriminada pela  família que tambem era conservadora e pelos dogmas da igreja tambem não poderia e em nossas conversas  sempre que eu provocava um pouco mais ela afirmava categoricamente que nunca havia feito e jamais nada de “errado” na vida, pude entender que se tratava de natureza sexual e  que eu não deveria pensar mal dela por contar-me suas intimidades, fazia questão de afirmar que era uma mulher séria, somente conversava comigo esses assunto porque me considerava amigo e eu inspirava confiança o que a deixava livre para comentar o que quisesse.

Eu  a instigava sobre sua vida sexual, e a incentivava a abrir-se comigo, o que ela fazia sempre  com a nossa aproximação ela superou sua timidez e começou a sentir-se a vontade para comentar sobre sua intimidade, Silvia  confessou-me que na hora do sexo Salmon só  subia em cima dela sempre  na posição de papai e mamãe, gozava rapidamente e  virava para o seu lado na cama e dormia, sem nunca preocupar-se com ela se estava satisfeita ou não, se queria mais, etc… Perguntei-lhe se alguma vez em todo o tempo de casada ela já tinha gozado alguma vez … senti que ela relutou pra responder tentou mudar de assunto mas eu insistia falei então na hora, aposto que ele jamais a fez chegar a um orgasmo…  até que  encabulada confirmou.
Minha conversa envolvente aos poucos  foi conquistando-a  e logo Silvia já  estava se comportando como uma antiga conhecida e não demorou muito tempo iniciamos a conversar com webcam aberta nossa foi maravilhoso ve-la pela CAM, quando vislumbrei aquela mulher que tanto desejo ali na minha frente, fiquei encantado, fascinado, linda como sempre, na primeira vez lembro-me que vestia uma espécie camisola mas não daquelas sensuais, era uma camisola bem comportada ela não fez comentário fez se gostou ou não de mim, mas isso não importava, o que queria estava conseguindo, aproximar-me daquela mulher que tanto mexia comigo. O marido dela  tinha sido seu único homem e ela não cansava de repetir  mas a cada vez eu notava que ela falava com menor convicção era apenas eu saber aguardar que naturalmente ela acabaria  me pertencendo,  nossas mensagens foram ficando cada vez mais  ousadas, picantes, notei que ela se interessava pelo assunto sugeri então que ela nas horas de folga navegasse um pouco por alguns sites de contos eróticos pra ver as experiencias de outros, disse-lhe que eu curtia isso, ela a principio estranhou mas como já estávamos bem íntimos ela não me recriminou.

Inicialmente ela  se assustou, pois nada conhecia sobre esse tipo de site, mas com a insistência em  me referir ao assunto ela acabou se interessando e, ela própria começou a pesquisar na internet e nas nossas conversas ela me perguntava se tudo aquilo que ela lia realmente se fazia ou melhor um casal casado faria?? Eu dizia porque não, ela retrucava, mas…. tem cada coisas, sexo anal por exemplo, é sujo, não é normal eiu falei que não era mesmo, mas na hora do prazer usava-se todos os artificios, ela falou mas aquilo do homem gozar na boca da mulher isso tambem é nojento… mas eu aproveitando a deixa sempre a incentivava a ponto de sugerir que ela tentasse com o marido dela mesmo, ela respondeu que tinha medo até de propor algo assim pra ele  ela por ser uma mulher romântica gostava de contos que fala de relacionamentos, mas os contos eroticos ela achava que não eram romanticos, eu tentava botar na cabeça dela que o romantismo e o sexo andava de mãos dadas, dessa forma ia passando os meus conhecimentos a ela do  que curto. ela me dizia o que achava exagerado, e o que achava gostoso, enfim fomos nos entrosando como amigos íntimos senti que algo mais começou a surgir com ela em relação a mim, não sei se curiosidade ou desejo, pela forma que ela me demonstrava, e pelo carinho e pelos seus olhares pela cam, engraçado quepela cam a gente percebe mais detalhes que ao vivo..
Esse affair nosso durou mais de 6 meses e depois de várias e várias tentativas de tentar convence-la a nos conhecer pessoalmente, ela sempre com aquele papo de mulher séria de casada etc.. isso de certa forma foi me irritando, eu já tinha batido tantas punhetas em homenagem a ela que perdi a conta e eu estava louco por ela   e, acreditem ela também queria apesar do jogo duro e não admitisse  eu  sabia que o medo dela era de que descobrissem, porque se isso acontecesse ela seria expulsa da igreja e provavelmente pelo marido também, por isso a relutância e a reação do esposo  com certeza seria a pior delas. por várias vezes insisti, e de forma veemente ela afirmava que nunca saiu e nunca sairia com ninguém, e que não tenha a mínima vontade para sair com alguém e trair seu marido. Mas baseado em nossas conversas eu sabia que era apenas questão de tempo  bastava apenas ter paciência e saber cativar aquela linda menina. 

EU a elogiava direto, dizia-lhe coisas bonitas e ela ia abrindo seu coração para mim e senti que a cada dia ela estava mais submissa, porque agora era ela que  já  me procurava para se aconselhar em quase tudo de sua vida inclusive na matéria de sexo, e, tudo que eu falava ela procurava colocar em prática depois de algum tempo para saber o quanto ela estava ligada a  a mim, houve dias em que não liguei o skype e nem mandei mensagens pelo hotmail, embora fosse meu desejo, só que  essa atitude tinha como objetivo faze-la sentir minha falta  depois de três ou quatro dias eu entrava novamente e facilitava o contato entre nós, ela reclamava porque não aparecia nem deixava  noticias, que gostava de  conversar comigo etc..

Continuei insistindo mas ela sempre recusando veementemente, até que resolvi dar um xeque mate dizendo que iria afastar-me de sua vida, que minha amizade não estava lhe agradando, e que se ela não confiasse em mim era melhor eu me afastar, com essa pequena chantagem ela acabou concordando mas fez questão de frisar que só  aceitaria desde que eu concordasse que seria uma unica vez, seria a primeira e a ultima  senti que nessa afirmação ela não foi tão incisiva quando afirmou  que o encontro seria único, achei que era mais por  defesa valorizando seu comportamento do que por convicção, então eu já tinha certeza de que finalmente eu tinha vencido suas defesas de tanto tempo e o caminho estava livre e finalmente ela seria minha

O problema novo agora era onde iríamos nos encontrar, porque ela tinha medo de que  isso fosse em público,  pelo fato de ser casada e evangélica  e de alguém nos ver juntos o que iriam  comentar no apto dela nem pensar, pois o porteiro do prédio poderia comentar alguma coisa, na minha casa é impossível por causa da minha esposa, motel nem pensar, se eu falasse em motel ela jamais aceitaria nem me ver,  segundo ela. a dificuldades era de encontrar um local adequado, ficamos nesse impasse ela concordou e a gente se encontrar, mas pediu pra eu ter paciencia até que um de nós dois tivesse uma ideia de como fazer, passaram-se algum tempo, eu sempre insistindo, até que um dia ela me surpreendeu com uma proposta maravilhosa, disse que uma amiga da igreja tinha uma casa na praia que ficava a 100 kms da capital, que foi a unica ideia que ela teve se eu concordava mas teria que ser numa segunda feira, ela falou que poderíamos nos conhecer pessoalmente lá,  eu ainda perguntei e essa sua amiga não vai desconfiar de nada, ela respondeu que não porque ela já tinha emprestado algumas vezes porque as vezes ela gostava de ir de manhã, caminhar na praia e voltar a tarde, claro que concordei, ela ficou de me avisar quando pudesse a gente iria lá.

Logo surgiu a oportunidade pela manhã da segunda feira , já que seu marido haveria de estar em outra viagem a trabalho, mas outra vez  que fosse apenas para nos vermos e nada de qualquer envolvimento íntimo que ela só iria nessas condições. qual resposta poderia dar-lhe?  Assegurei a ela que não haveria de minha parte nenhum estímulo para que a obrigasse a termos um romance, e que ela não faria nada que não quisesse, mas em minha mente eu só tinha um pensamento que era ter a minha musa em meus braços nua em cima duma cama, dependeria dela se haveria ou não uma aventura entre nós mas eu confiava em meu taco e no meu poder de sedução e eu tinha  certeza de antemão que ela iria querer, ela me passou o endereço e combinamos para chegar as 10,30 mais ou menos, a primeira coisa que eu fiz foi comprar uma garrafa de vinho pra podermos comemorar juntos quando eu a visse eu não sabia se ela beberia ou não, mas arrisquei.
No domingo eu fui a igreja normalmente como eu já fazia em alguns mas a  noite nem dormi direito pensando no dia seguinte, minha mulher percebeu que eu tinha perdido o sono e perguntou ´porque, falei que era compromissos do dia seguinte . No dia e hora marcados por ela, cheguei ao endereço não tinha certeza mas ao me aproximar aproximei-me e levemente bati na porta, minha mente estava a 1.000, eu parecia uma criança prestes a ganhar um doce finalmente ela abriu a porta,  belíssima, de perto é ainda mais sedutora. Com um sorriso encantador estampado em seu rosto um vestido que delineava seu corpo, notei que o comprimento estava um pouco menor do que o usual,  3 dedos acima dos joelhos, e os braços a mostra ao contrário dos blazers que ele costumava usar normalmente ao ve-la fiquei  muito satisfeito pelo visual completando não sei se ela se vestiu assim propositalmente ou o fez de forma natural  mas eu acho  foi de caso pensado só para alegrar-me se foi essa a intenção meu caminho estava bem mais facil.
Estacionei o carro na garagem e entrei e tivemos depois desse tempo todo o primeiro contato olho no olho. mantive firmes nos olhos dela era nossa primeira aproximação, ela nitidamente envergonhada abaixou a cabeça,  eu não sabia como cumprimentá-la e, lhe dei os tradicionais 3 beijos na face, mas o fiz de uma maneira diferente do usual e de forma premeditada beijei lhes bem próximos dos cantos dos lábios  de  forma que nossos lábios quase se tocaram, ela sem muita ênfase afirmou: lembre-se apenas conversarmos, tá!!! mas eu entendi que isso era mais uma deixa para eu avançar, do que uma convicção.

Notei que ela estava muito nervosa e  tímida, assentei-me no sofá e ela  na outra ponta do sofá começamos conversar assuntos amenos, engraçado, no Skype a gente se soltava pessoalmente parecia que era tão dificil o desenrolar dos assuntos e após alguns assuntos amenos, Sofia desejou saber como eu a descobri o e-mail dela e porque eu insisti em te-lano Skype, contei-lhe sobre como que foi relatei tudo desde o início quando por acaso eu a vi a primeira vez atravessando a esquina, de como eu fiquei fascinado e como resolvi me aproximar dela até começando a frequentar a igreja embora eu não fosse tão assíduo, fui contando todos os detalhes, a conversa foi fluindo naturalmente e ela se divertia com meu relato, entre meio ao relato eu parei um pouco e disse-lhe temos que comemorar não acha, espera um pouco, fui até o carro e peguei a garrafa de vinho que eu já tinha previamente acondicionado num isopor com gelo enquanto, peguei dois copos de cristal que eu tinha comprado pra combinar com o vinho, entrei abri a garrafa e servi dois copos, ela disse-me que não bebia, perguntei se ela nunca tinha bebido vinho, ela falou que poucas vezes mas que era fraca pra bebida e não queria arriscar, falei que era vinho rose doce, insisti tanto que ela acabou aceitando enquanto conversávamos   sorvemos mais  mais três doses da bebida, notei que ela estava ficando mais solta e bem descontraída, rindo, mais feliz pareceu-me que estava bebendo para criar coragem de seguir adiante naquilo que ela mesma sabia que iria acontecer.
Depois de mais de uma hora da gente conversando ainda restava meia garrafa de vinho, servi mais uma dose em cada copo, pedi pra ela se levantar pra gente fazer uma comemoração um tim tim, ela se levantou e perguntou a que comemoraríamos, falei vamos comemorar a nossa amizade de logo tempo,  vamos comemorar a nós e ao nosso momento agora, cruzamos a taça e brindamos com vinho tinto Chegou a hora, era o momento de eu tomar a frente, me aproximar e seduzi-la de vez. arrisquei, era tudo ou nada, fiquei a sua frente, depositei os dois copos na mesinha ao lado do sofá. encarei  a fixamente,  passei o braço em sua cintura por trás puxei-a para mim e a beijei, ela  ficou inerte como se aguardasse aquele momento, ai que boca, que delicia de lábios, a beijei, com um tesão incontido, foi  um longo beijo, que pra minha surpresa parece que ela estava hipnotizada e correspondeu apertei-a junto a mim senti seu corpo esquentar. Como de um sonho ela despertou daquele transe tentou se afastar, fez um charminho disse-me que não podia por ser crente, não podia por ser casada e que jamais tinha traido seu marido, apelou pra minha consciência dizendo que eu tinha prometido que seria apenas um encontro de amigos, não lhe disse nada apenas segurei e falei-lhe Silvia, voce é uma mulher maravilhosa, uma mulher 
sexi, e nas nossas conversas sei que voce é uma mulher quente, eu quero voce e não adianta querer escapar, estamos sónós dois aqui, tasquei outro beijo e senti que suas defesas se abaixaram, por encanto sua língua procurava a minha, ela correspondia ardentemente ao jogo de línguas em que estávamos. Ela já não esboçava a menor resistência não tentava mais me  afastar,  ao contrário puxava-me de encontro ao seu corpo, sentia meu pau entre suas pernas, comprimia seus seios de encontro a mim, nossos peitos grudados como se fossemos um só, o ambiente transpirava desejo, sedução…já rolávamos pelo soltos sofá 
Eu lambia e beijava seu pescoço, freneticamente as línguas não paravam de trocar nossos fluídos, ela com força e energia unida a mim e toda entregue. A essa hora ela já estava com os braços baixados, passei as mãos pela suas costas e que voaram até o zíper do vestido, eu o desci até sua barriga, até tirar por completo, não parávamos de nos beijarmos, tirei seu sutiã, e vi os biquinhos eriçados, entregues totalmente para que eu fizesse o que desejava. Não pensei duas vezes e com as mãos acariciava seus seios, segurei os dois de uma vez, beijava seu pescoço, ela apenas gemia, deixando o caminho totalmente livre para mim. Ela parecia uma leoa pela força que me puxava, ávida por carinhos, eu lhe dava o que tanto precisava: sexo prazeroso, minha idéia era satisfazê-la no máximo de minhas forças era o que fazia…
Tirei sua calcinha, que por sinal era menor do que imaginava.  já totalmente nua nos meus braços, eu não tinha ideia de que iria acontecer tão rapidamente, pensava que ela faria alguma objeção, mas pelo contrário, ela já veio com a ideia de pertencer a mim sem perda de tempo. A virei de costas, e a mais linda visão que poderia imaginar, nunca tinha visto uma bundinha tão linda, tão redondinha e com a pele branquinha lisa e delicada, e aqueles cabelos longos me deixavam com mais tesão ainda,  acariciei suas tetas  passava a mão em sua bucetinha, eu sentia o calor inebriante que vinha de dentro dela, constatei que sua bucetinha estava totalmente encharcada,  para minha surpresa a safadinha estava totalmente depilada, ela mesma tirou minha camisa, sentia o meu pau pulsando, o volume dentro de minha calça encostando-se a ela, foi beijando todo meu corpo e foi descendo, abriu e arriou minha calça, a cueca logo também foi ao chão, ela ficou coradinha ao se deparar com o meu pau rijo, duro como uma pedra, seus olhos brilhantes demonstraram o tesão em que se encontrava, ela parou e ficou contemplando por alguns segundos meu membro, falei que ela podia abocanhar se quisesse queria saber se ela aprendeu as lições que eu dava pelo Skype e  logo depois, de forma voraz o agarrou, colocando-o na boca e a lamber, sugando avidamente, EU apenas a deixei se deliciar, aqueles momentos eram dela, pela sua inexperiência  presumi também que ela nunca chupara um pau na vida, porque as vezes eu sentia ela ir com sede demais ao pote.
Puxei-a  à cama para ficarmos na posição de 69, nossa que delicia de bucetinha, cheirosa demais, EU chupava e ela retribuía, ela gemia, sentia meu hálito quente nas carnes sensíveis. Estremecia toda quando a língua áspera e úmida explorava cada curvinha. E como ela sugava =me deliciosamente, embora sem prática, o instinto e a vontade de servir-me a fazia chupar bem gostoso. Eu lambia e a penetrava com a língua, mordiscava de leve, sugava carinhosamente seu melzinho, que estava a escorrer. Eu a estimulava mais rápido e logo depois mais devagar, ela não parava de se mexer. Ela estava sentindo um prazer jamais sentido com o marido. O rosto dela mostrava a excitação em que se encontrava. Continuei estimulando-a ate ouvir um gemido mais alto e seu corpo tremendo todo, Silvia não aguentou e explodiu em gozo, havia tido seu primeiro orgasmo,  com o prazer do sexo oral, gozou na  minha boca e inundou com o mel daquela bucetinha perfumada, não resisti e gozei tambem inundando sua boca com meu semem, por alguns segundos ficou estática, como premio pelo seu desempenho a deixei aproveitar o torpor maravilhoso e forte que teve, Silvia  tremia, finalmente tinha conseguido o que jamais teve, beijou-me com carinho com um sorriso de menina mulher, ela estava mole, esparramada na cama, completamente entregue e sem importar com qualquer pudor.  Ao se refazer um pouco, ela beijou-me mais uma vez e disse-me que foi bom que eu tivesse insistido com ela, que bom que eu não desistira, ela tinha pela primeira vez feito sexo oral até alguns minutos atrás ela apenas imaginava como seria e o prazer que sonhava ela com olhar de fêmea bem saciada, falou: obrigada, obrigada…mas eu lhe disse isso foi só o começo, temos o dia todo ainda….
Ali exalava cheiro de sexo então fomos ao banheiro, depois de um banho rápido com direito a encoxadas, beijos, e provocações, novamente deitamos na cama e a orientei para  que ficasse de quatro e, aos poucos, enfiei meu pau em sua bucetinha. que apesar de apertadinha entrou com facilidade devido a sua lubrificação intensa. ela começou a rebolar enquanto eu a fodia, ela estava alucinada, gemia, urrava, dizia palavras que eu não entendia. Não demorou muito senti que ela ia gozar. A vagina se contraiu em uma explosão de gozo e prazer, Sofia se contorcia, sua cara demonstrava imenso prazer, o orgasmo foi longo e intenso. Podia sentir em meu pau os espasmos de sua buceta gozando e contraindo, apertando o meu pau. Ela caiu para o lado na cama gemendo baixinho e novamente me agradecendo por ter dado a ela os primeiros orgasmos de verdade, pois até então o que sentia gozando sozinha, na siririca, era uma pequena fração daquilo tudo que sentiu. descansamos um pouco até recuperar novamente o tesão a todo vapor e partimos para mais uma rodada de  foda deliciosa, Silvia estava tomada de uma excitação imensa parecia uma outra mulher, novamente dei-lhe um vanho de lingua começando pelos labios pescoços e terminando na buceta, lambia como um cachorrinho, ela se contorcia toda .  voltamos a outro beijo melado e gostoso, ela  se derretia, logo a virei e subi em cima dela e fui encaixando meu pau no pequeno buraquinho de sua bucetinha, comecei a colocar somente a cabeça e a retirar, era bem apertadinho e aquilo ainda me dava mais tesão, ela com as pernas nas minhas costas apertava com uma força que não achei que a danadinha tivesse, aos poucos fui metendo até que consegui colocá-lo todo dentro dela, ela ficou pálida de tesão, fui aumentando a velocidade, ela gemia de prazer, as nossas pernas tremiam com o momento de prazer, ela precisava e, aquela era primeira vez que ela tinha tido alguem fora do casamento, que delícia, eu a beijava enquanto a sentia apertando meu pau, mesmo ela já tendo gozado queria mais. Trocamos de posição, ela veio por cima, Sofia se comportava como uma fera no cio. Nem perguntei e o que tanto almejei por fim conseguira, gozei, gozei, gozei, dentro dela, ela também não fez por menos e começou a ter espasmos e também gozou, parecia uma leoa de tanto que me agarrou e berrava e eu  a sentindo com um tesão imenso e, gozamos mais uma vez, agora juntos. Maravilhoso,  e queria repetir essa trepada muito mais vezes. Que boca, que bucetinha deliciosa, que tetas, que fêmea… Ficamos ali deitados  
uns minutos, perguntei a ela quanto ao perigo do marido descobrir, apenas me disse: “- esqueça isso, neste momento nem quero pensar. logo lhe falei ainda falta algo pra ficar completo, ela perguntou o que, falei que queria transar por traz nela tambem, ela então me falou… que nunca tinha feito, que tinha medo, delicadamente tentei convence-la ela etão me disse sabe Douglas, como voce me deu bastante prazer mesmo que doa pra voce eu deixo se for com jeitinho, nem preciso dizer que… comi aquele cuzinho rosado tambem.. que delicia aquela morena linda era o meu premio pela minha persistencia, mas eu não forcei a barra mesmo porque eu já tinha gozado umas tres vezes e estava mais mole que duro meu pau, tanto que quando ela reclamou e dor eu falei quer parar, ela disse sim e eu parei porque eu queria e ela precisava muito era de ter uma ou mais trepadas que ficasse sempre com o gosto de quero mais e, não iria espantar de nenhuma forma essa minha nova preciosidade. eu desabrochei na Silvia algo que ela nunca tivera e que sempre desejara: ter prazer, meter com vontade, sem limites, sem cobranças de qualquer espécie. apesar dela ter insistido em que seria uma unica vez, a primeira e a ultima depois que ela teve essa experiencia, não resistiu, e a gente se encontrava em lugares sempre diferente ela acabou aceitando a gente se encontrar em moteis, só que ela sempre saia de casa eu a pegava em um shoping, ela se disfarçava de oculos escuros  e lenços com medo de ser reconhecida, mas o desejo pelo prazer falava mais alto que apesar do medo ela sempre ia ao meu encontro.
 
autor - swingonline

Um comentário:

  1. Se vc sente prazer em ver sua amada transando com outro homem, entre em contato comigo pois tenho excelente nível e sou homem de confiança.
    claudiosorocaba@bol.com.br
    Quero mulher fogosa para deliciosas preliminares para melar a calcinha e depois penetrar gostosamente

    ResponderExcluir